PREVI

SOBRE OS ÍNDICES DE CORREÇÃO

Sabemos que não foram utilizados os índices corretos de
correção das nossas contribuições pessoais feitas para a
PREVI. Contribuindo para a correção dessa injustiça, pesqui-
samos a jurisprudência sobre o assunto e encontramos o se-
guinte quadro:

mês         ÍNDICE CORRETO

jun/87       26,06%
jan/89       70,28%
mar/90       84,32%
abril/90     44,80%
maio/90       7,87%
fev/91       21,87%

Os demais índices não foram objeto de divergências.

Devemos estar atentos, por isso, gostaríamos que todos
verificassem também se estão corretos
estes índices, para que possamos definir com antecedência
necessária, a forma de atualização desses valores.

============================================

AS INJUSTIÇAS DO PLANO DE BENEFÍCIOS NR. 01

Prosseguindo com o debate ora instalado, enfim, qual a finalidade de um Plano
de Previdência Complementar?

O legislador Constituinte de 1988 não fez referência ao assunto. Naquele ano
já existia uma Lei 6.435/77 com o seguinte teor:
“ Art. 3º. – A Ação do poder público será exercida com o objetivo de:
I – proteger os interesses dos participantes dos planos de benefícios;
II – determinar padrões mínimos adequados de segurança econômico-financeira,
para preservação da liquidez e da solvência dos planos de benefícios,

isoladamente, e da entidadede previdência privada, em seu conjunto;
III – disciplinar a expansão dos planos de benefícios, propiciando condições

para sua integração no processo econômico e social do País;
IV – coordenar as atividades reguladas por essa Lei com as políticas de desen-

volvimento social econômico-financeira do Governo Federal. “

Nesse mesmo sentido, posteriormente em 29/05/2001 foi editada a Lei
Complementar 109, ratificando os mesmos princípios, dos quais passamos a
destacar:
“ Art. 3º. – A Ação do Estado será exercida com o objetivo de:
VI–proteger os interesses dos participantes e assistidos dos planos de benefícios.

Diante do que está exposto, nós almejamos uma política de Previdência Comple-
mentar  adequada e compatível com os padrões de equilíbrio do Plano de Benefí-
cios nr. 01, mas também preservando os direitos inalienáveis dos participantes
e assistidos que na verdade contribuíram em média com mais de 50% do tempo
necessário para aquisição do benefício pleno.
O princípio a ser observado tem origem na Carta Magna no tocante ao direito de
igualdade entre os participantes.
Devemos citar o texto encontrado no Relatório Anual do ano de 1997, elabora-
do pela Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil – PREVI:
“ Com a aprovação do novo Estatuto, foram concretizadas as reivindicações de

quase duas décadas encaminhadas pelo Corpo Social, como a ampliação dos bene-

fícios, a derrubada das discriminações e o restabelecimento da igualdade entre

todos os  associados. “
Era isso o que prometia a entidade há cerca de onze anos atrás: “restabelecer a
igualdade entre os participantes do Plano.”
Mais adiante, neste mesmo relatório:
“ Foi implementada, também, a possibilidade de recebimento da diferença entre

a  reserva matemática de aposentadoria programada e a reserva de poupança para

os associados que, ao serem exonerados do Banco do Brasil, optarem pelo recebi-

mento  de suas contribuições à  PREVI.”
Esta possibilidade não foi oferecida aos que saíram antes, ou seja, no
período de 1995 a 1997, causando um enorme prejuízo a estes participantes que
ficaram sem receber cerca de 66% daquilo que tinham direito. Além disso, o valor
resgatado, equivalente a 33%, não foi corrigido pelos índices reais da inflação,
dando origem a uma quantidade enorme de processos judiciais em vários estados

da federação, todos  com decisão desfavorável para a PREVI,

no que se refere à  questão de mérito.

175 respostas para PREVI

  1. PLC-512/07 – CARTA AO PRESIDENTE LULA

    Maceió-AL, 06 de agosto de 2008.

    Colegas Demitidos do Banco do Brasil,

    Na esperança de ver o nosso atual Presidente da República – Sr. LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, tomar mais uma atitude de um verdadeiro governante do nosso País, que pensa no bem comum dos brasileiros, no desenvolvimento nacional como um todo, e, acima de tudo, na respeito à DIGNIDADE HUMANA, nós que compomos a Coordenação dos PDVistas Alagoanos tomamos a liberdade de, dentro do nosso direito, entregar à assessoria presidencial, em mãos, quando no encontro do Presidente com os Governadores do Nordeste, realizado no final do mês de abril deste ano, em nossa Capital, uma carta, em forma de dossiê, contendo cópias de diversos documentos e reportagens inerentes à nossa causa, razão maior do PLC 512/07 – Reintegração ao Banco do Brasil, para que tal documento fosse entregue ao Lula. Assim procedemos.

    Aliás, não se surpreendam, caros colegas de infortúnio, se o Presidente LULA, a qualquer momento editar outra Medida Provisória, a exemplo da MP nº 431 de 14/05/2008 que beneficia todo o funcionalismo público federal, civil e militar, servidores da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, entre outras, sendo que, para tal fim, disponibilizou verba de 7.560 Bilhões em favor do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão através da MP nº 430, da mesma data. E nós, demitidos do Banco do Brasil, não fomos beneficiados também porque o PL 512/07 ainda não é Lei!!! Apenas um projeto de lei…

    Outrossim, seria motivo de imensa alegria para todos os perseguidos demitidos, inclusive os familiares dos nossos colegas já falecidos, por terem os mesmos direitos, caso o Presidente LULA, representante maior do Poder Executivo, decida enviar ao Congresso Nacional mais um Projeto de Lei, de igual teor ao PLC 512/07 na Câmara dos Deputados Federais e ao PLS 66/07 no Senado Federal, desta feita, porém, em CARÁTER DE URGÊNCIA URGENTÍSSIMA, e não sob o rito Ordinário como tramitam os mencionados PLs. Abreviaria, merecidamente, nossa incansável luta em busca da “reparação” dos nossos direitos que foram usurpados e com certeza o Congresso Nacional não o vetaria, pois, a grande maioria dos congressistas é sabedora de nossa situação.

    Evidentemente, é só o que está nos faltando para que seja corrigido o erro governamental cometido no passado, já que o Poder Legislativo (Câmara e Senado) e o Poder Judiciário (por meio das decisões prolatadas em favor dos injustamente demitidos) já reconhecem o terrorismo a que foi submetido o funcionalismo do Banco do Brasil, iniciado em 1995, por meio dos famigerados PLANOS DE DEMISSÃO, arquitetados àquela época pelo Poder Executivo Federal, na mente nefasta do então presidente Fernando Henrique Cardoso, e colocado em prática pelos administradores algozes de plantão do Banco do Brasil e da PREVI, respectivamente, com a desculpa de “salvar” o banco da falência às custas da perda da dignidade humana e da desgraça de seus funcionários, concomitantemente. Um preço muito caro. Custou vidas. Incomparável! Inadmissível! Cruel! Desumano!…

    Pois bem, caros colegas demitidos e familiares dos falecidos, vejam a seguir a correspondência a que nos referimos inicialmente, como também as duas comunicações (respostas) a respeito da mesma, expedidas pela Assessoria Presidencial. A primeira, vinda do Gabinete Pessoal do Presidente da República, através do Diretor Claudio Soares Rocha, da Diretoria de Documentação Histórica, que, inclusive, enviou cópia de nossa carta ao Banco do Brasil através do Ofício COR/GP/PR: 775/2008, de 28/05/2008, e a segunda sendo expedida pela Subchefia de Assuntos Parlamentares da Secretaria da Presidência da República, pelo seu titular Sr. Marcos de Castro Lima, que por sua vez também enviou cópia de nossa bendita carta ao MINISTÉRIO DA FAZENDA.

    Portanto, tirem suas próprias conclusões, otimistas ou não, lembrando que “sonhar é preciso”, que sempre existirão homens que praticam o bem e proclamam a verdadeira justiça e que DEUS se faz presente aos homens de boa vontade.

    Finalmente, por oportuno, queremos frizar que de forma igual procedemos a entrega de vários dossiês, com o mesmo conteúdo, a assessores de Deputados e Senadores do nosso e de outros estados, a representantes da CUT, CONTRAF e Sindicatos da classe, como também enviamos inúmeros E-MAILs a outros congressistas, sendo que, no momento estamos mantendo contato com parlamentares de nosso estado, buscando apoio através de “Moção de Apoio” junto à Câmara Municipal de Maceió e à Assembléia Legislativa Estadual, para que estes a transmitam ao Congresso Nacional, em particular às Comissões encarregadas da análise do PL 512/07 (CTASP,CCJC e Finanças e Tributação).

    Saudações.

    ciceroantonio082@hotmail.com
    Membro da Coordenação dos PDVistas –
    BB em Alagoas
    Fone: (82) 9983-0587 // 3352-8304

    CARTA AO PRESIDENTE LULA:

    Maceió (AL), 28 de abril de 2008

    Exmo. Sr.
    Luiz Inácio Lula da Silva
    Presidente do Brasil
    Brasília-DF

    Senhor Presidente,

    Nós, integrantes da Comissão Representativa dos Ex-funcionários do Banco do Brasil exonerados através do Plano de Demissão Voluntária (PDV), vimos solicitar de V. Exa. e dos partidos que integram a base do governo apoio e empenho no sentido da aprovação do Projeto de Lei 512/2007, da Câmara dos Deputados, e do Projeto de Lei 66/2007, do Senado Federal, de autoria dos parlamentares Chico Lopes (PCdoB-CE) e Daniel Almeida (PCdoB-BA), e Inácio Arruda (PCdoB-CE), respectivamente, que dispõe sobre a reintegração no emprego dos funcionários demitidos no período de 1995 a 2002.

    Como já deve ser do conhecimento de V. Exa., tais funcionários foram forçados, na época, a aderir ao referido Plano, sob pena de serem descomissionados, transferidos para localidades distantes de seus familiares e até demitidos sem as supostas vantagens oferecidas no PDV. A reintegração proposta nos projetos acima citados corrige uma injustiça praticada contra trabalhadores que tinham em média vinte anos de serviços e dedicação à empresa.

    A reivindicação se assemelha ao que ocorreu após o governo Collor, quando a lei da anistia (8.878/94) determinou a reintegração dos demitidos por perseguição política e abuso de gestão. Os efeitos da referida lei, que se encontravam obstaculados por divergências de ordem política ou jurídica, foram retomados durante o governo de V. Exa., em função de parecer favorável da Consultoria Geral da União (nº 1/2007), ratificado pela Advocacia Geral da União, através de seu titular, Exmo. Sr. José Antônio Dias Toffoli.

    Atualmente, dois dos reintegrados pela lei da anistia integram a Comissão Especial Interministerial que analisa os requerimentos de reintegração, o que demonstra mais uma vez a natureza democrática e de justiça de vossa gestão. É o que esperamos, também, em relação ao caso dos ex-funcionários pedevistas do Banco do Brasil, que vivenciaram, igualmente aos perseguidos no governo Collor, a mesma experiência de perseguição e perda.

    Certos da sensibilidade de V.Exa. e da base governista em relação também a nosso caso, agradecemos antecipadamente e aguardamos o empenho no sentido de contribuir não só para agilizar a tramitação, aprovação e sanção dos projetos supra citados, como também através da criação de comissão especial, junto ao Banco do Brasil, com participação de ex-funcionários (pedevistas), para tratar a questão.

    Atenciosamente,

    Comissão dos Ex-funcionários (Pedevistas) do Banco do Brasil

    José Rosinaldo Aquino Gomes
    Presidente
    Cícero Antônio de Araújo
    Vice-presidente
    Manoel Messias de Cerqueira
    Secretário

    >>>>>>>>>>>>>>>>>>><<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<

    Obs.: As respostas (02) do Lula (assessoria) serão disponibilizadas pelo responsável por este site o nosso colega Marcelo Dantas.

  2. Carlos Roberto Alves Nascimento disse:

    Colega Jandui,

    Com relação aos expurgos inflacionários o STJ concedeu os seguintes índices:
    jun/87 ( 26,07 %) – já prescrito ( 20 anos);
    jan/89 (42,72 %) – prescreve em jan/2009;
    mar/90 (84,32 %);
    abr/90 (44,80 %);
    mai/90 ( 7,87 %));
    fev/91 (21,87 %);
    mar/91 ( 1,79 %).

    Para quem ainda não ajuizou ação requerendo aplicação destes índices sobre 1/3 ou a parcela recebida ref. a 80 % dos 2/3, para quem saiu depois de 23.12.97, ainda há tempo. Aqui em Aracaju temos um colega que acionou a PREVI em 2006 e o processo já se encontra em fase de execução ( cálculos). Com certeza a PREVI vai embargar a execução para ganhar tempo, está nos pagando IPC e o nosso dinheiro está aplicado no mercado financeiro, rendendo bem mais.

    • Roberto disse:

      Tambem gostaria de saber mais sobre este assunto dos 2/3.Estou nessa, há 5 anos. Como fazr para ajuiza a Previ ?

  3. Ary Taunay Filho disse:

    Amigo Vicente de Paula de Carvalho,

    Sua ajuda é muito bem vinda. Não sei de onde voce é. Se for da região sul é comigo. Estamos coordenando o movimento aqui no sul através do e-mail “arytaunay@uol.com.br” e o blog “superavitprevi.blogspot.com”.
    Se não for do sul entre em contato com o e-mail do Marcelo Dantas “celodan2003@yahoo.com.br” e pergunte sobre a coordenação de seu estado.

    Mais uma vez, seja bem-vindo e mãos à obra que a luta é dura!

    Ary Taunay Filho

  4. Ary Taunay Filho disse:

    Amigo Francisco Cesar,

    Obrigado pelas palavras de incentivo.
    Por favor diga onde é seu “fim de mundo”.

    Aproveito para contar mais um triste episódio da história da Previ.
    Conforme matéria da revista EXAME em 1997 a Previ iniciou o empreendimento conhecido como “Costa do Sauípe”, um conjunto de “resorts” em Salvador-BA.

    Segundo a revista já investidos lá 1 BILHÃO DE REAIS(ÓBVIAMENTE DO DINHEIRO DOS ASSOCIADOS).
    Agora a PREVI está vendendo o empreendimento para um grupo estrangeiro por 200 milhões. Auferindo um prejuízo(no patrimônio dos associados) de 800 MILHÕES DE REAIS.

    Façam a conta de quantas mega-senas dá este prejuízo.
    Pesquisando nos blogs, principalmente da Cecília Garcez vemos a choradeira dos funcionários do BB por um mísero emprestimo simples, que a Previ não libera.
    Se liberasse podia ser até com JURO ZERO e pagamento em 100 anos, que ainda seria melhor negócio do que dar de presente para estrangeiros o patrimônio dos sócios.

    Negócios deste tipo são passíveis de analise com base no Código Civil Brasileiro(e no código penal também).

    Se continuar assim os funcionários do BB vão se aposentar apenas com o INSS e passar o resto da vida chorando por não terem feito nada contra as barbaridades que a PREVI vem cometendo desde o acordo de dezembro/97, que está sob investigação do Tribunal de Contas da União, processo 006.368/2005-1, após denúncia acatada da então Senadora Heloisa Helena e 2005.
    A diretoria atual do jeito que vai tem que começar a se preocupar até com a própria aposentadoria.(se é que vão precisar).

    Ary Taunay Filho

    • Edgar Steil disse:

      Olá colegas pedevistas. De tudo que aqui tenho lido, tenho a impressão que tem muitas “frentes” de trabalho abertas – reintegração ao quadro funcional, etc. – e acredito que todas sejam reivindicações justas dada a maneira covarde com que fomos tratados na época, cujo presidente, o Sr. Ximenes, não teve a hombridade de nos dizer cara cara da edição deste PDV, precisou ir a um canal de TV e ali anunciar este malfadado plano. Que fomos vítimas, fomos, isto não tenho dúvidas. Todos nós sofremos, e muito, principalmente nossas familias, esposa e filhos. Descobri ontem à noite (18.04.2010) o presente site e gostaria que disponibilizassem o e-mail do Ary Taunay Filho, que pelo que me consta é morador da cidade gaúcha de Guaiba e eu sou morador de Candelária, também RGS e, pela proximidade geográfica, poderíamos eventualmente nos encontrar para bate papo, acompanhado de um gostoso chimarrão, para debater e compartilhar um pouco do que vivemos estes últimos anos. Fico no aguardo, grande abraço a todos. Edgar

  5. Advogado Oswaldo Gomes disse:

    Sou ex-funcionário do Banco do Brasil,onde trabalhei por 25 anos, fui diretor do Departamento Jurídico do Sindicato de Belo Horizonte, membro do Conselho Consultivo da PREVI.
    Venho atuando, como advogado, em defesa dos colegas ex-funcionário em diversas ações, inclusive contra a PREVI.
    Caso algum ex-colega tenha interesse me coloca a disposição.
    Meu e-mail é: oswaldo.advogado@yahoo.com.br

    • jaime emerich disse:

      prezado colega. uma boa tarde pra vc. Claro, Dr. Oswaldo. serei objetivo. sais no pdv de 97 e nunca quis ajuizar nada contra o banco e nem a previ. Hoje vejo, que fui um babaca. seguinte: hoje já fazem 12 anos que sai. em ambos os casos já prescreveram os prazos ou é possivel fazaer algo principalmente contra a previ. aguardo resposta. abraço.

    • Prezado Colega, trabalhei no BB por 19 anos e sai no pdv 1995. Não entrei com nenhuma ação, pq estava no exterior ,trabalhando para me manter. Gostaria de saber se tenho ainda algum direito para reclamar meus direitos. Jah enviei diversos e-mails mas não recebi resposta. Meu nome eh Maria Aparecida Rodrigues- 6.828.856-5. Por favor, me ajude. Grata

      • celodan disse:

        Maria Aparecida,
        Aqui neste site existem muitas informações sobre
        os seus direitos. Para acompanhar os próximos
        acontecimentos inscreva-se como associada,
        aqui também estão disponíveis as instruções
        e o modelo de ficha de inscrição.
        Marcelo Dantas

  6. paulo wilson cunha de oliveira disse:

    Em que momento a ANDEBB vai entrar com a ação ou ações que reavejam os nossos direitos usurpados?

  7. MARCOS ALVES GONÇALVES disse:

    Prezados Colegas, gostaria de manter contato com colegas que já entraram com a Ação Contra a Previ. Obrigado!

    • Marco Antonio Ferreira Ramos disse:

      Caro colega Marcos Alves Gonçalves, saí do Banco do Brasil em 2000. Entrei com ação contra a Previ em Janeiro de 2005. Isto para não dar margem à Previ os prazos de cinco anos depois de demitido e também porque naquele momento foi como fiquei sabendo da ação revisional indenizatória. Pesquisei aqui em Belo Horizonte, inclusive no nosso sindicato Bancário e ninguém sabia sobre esta ação. Nem como ajuizá-la. Portanto, eu aconselho a você a se informar com um dos advogados, aqui no site temos alguns.
      Um grande abraço.
      Marco Antonio Ferreira Ramos 6.796811-2

  8. Francisco CESAR de Alcantara Ferreira disse:

    Colega Marcos Alves Gonçalves,
    Eu tenho ação contra a Previ.
    Meu e-mail francisco-cesar.ferreira@caixa.gov.br e meus fones – 88-3631.1212 e 88-9249.0833.
    Um abraço.
    CESAR.
    Itapipoca-CE.

  9. joao rodrigues filho disse:

    sou ex funcionário do banco do brasil e aderi ao PDV em maio de 1997, gostaria de me integrar q

  10. JOSÉ TEIXEIRA REIS disse:

    Sou ex-funcionário do Banco do Brasil e aderi ao PDV em junho/97. Gostaria de receber orientação por bonda-de de algun ex-colega sobre a pendência junto à PREVI
    visto que só me pagaram 1/3 do valor a que me era de-
    vido legalmente.

    12/06/2009

  11. JOSÉ TEIXEIRA REIS disse:

    Matricula ex-func. BB – 5.902.650-2, me interessei sobre todos os comentários, irei me associar.

  12. Arlindo Campos disse:

    Sou ex funci do BB, após aderir ao PDV. Desejo me reintegrar ao Banco. Dou a maior força aos que estão a frente desse movimento, e digo a todos os colegas que desejam se reintegrar ao Banco para que não dezanimem diante das dificuldades.
    matricula; 1.241.720-3, irei me associar com certeza.

  13. Lindalva de Moura Borges disse:

    Colegas, estive em Brasília-DF, participando da Audiência Pública do dia 09/06/09 sobre a fraude do Decreto 81.240. Foi casa cheia, grande participação de colegas e políticos de modo a ficar muita gente de pé.
    Todos os´deputados presentes (10)nos apoiaram unanimente. Porém não compareceu o BB e a PREVI, talvez porque não tenham realmente explicações para a fraude. Mas serão notificados e de uma forma ou de outra terão de explicar o que houve, quem foi o mandante, etc.
    Precisamos batalhar por uma outra audiência onde contaríamos nossas histórias pessoais, divulgando para a mídia, políticos e a sociedade em geral toda a injustiça cometida pelo BB/PREVI.
    PRECISAMOS NOS UNIR CADA VEZ MAIS E CONQUISTAR ADÉPTOS PARA NOSSOS MOVIMENTOS NACIONAIS, ESTADUAIS.
    TEMOS PRESSA POIS NOSSOS FAMILIARES PRECISAM E NÓS TEMOS DE APROVEITAR OS BENEFÍCIOS ENQUANTO AINDA ESTAMOS COM SAÚDE E NA IDADE PARA VIAJAR, ETC.

    • JAIME BASSO 4579667X disse:

      COLEGA LINDALVA, VEJA OS COMENTARIOS POSTADOS, VANOS NOS ORGANIZAR PARA OBTER NOSSA PREVIDENCIA USURPADA..ACREDITE NESSE SONHO, ELE VAI SE REALIZAR

  14. Rita de Cassia Da Silva Rocha disse:

    Amigos do grupão, meu nome é Rita, estou em Fortaleza/Ce, sou pedevista de 1995, estou acompanhando todo processo que estamos vivendo, tenho plena certeza que seremos vencedores. Tenho muita gratidão a Deus, pois logo após minha saída do banco, passei em dois concursos, um Banco da Amazônia, onde trabalhei dois anos e quatro meses e no Tribunal de justiça do Estado do Rio Grande do Norte, onde trabalho até hoje. A minha saída do banco foi frustrante, ainda hoje trago sequelas e cicatrizes do que passei. Como tantos outros colegas fui coagida a pensar que aquela decisão era a correta. ENGANO. Mas graças ao bom pai, cheio de misericórdia e amor por todos nós, SOBREVIVI, e estendo meu afeto a todos que continuam sonhando. NÃO DESISTAM NUNCA !!, MESMO QUE TUDO PAREÇA CONTRÁRIO.

    Tendo em vista a necessidade de divulgarmos o máximo possível toda a situação de que fomos vítima, e os fatos atuais, venho sugerir o seguinte:
    Que a direção do movimento providencie um informativo de toda situação que nos envolve e solicite aos dirigentes dos diversos SINDICATOS e ASSOCIAÇÕES do país, que tal informativo seja divulgado o máximo possível através seus jornais periódicos, sítios eletrônicos e outros meios. Caso a sugestão seja aceita ou não, estou a disposição do grupo aqui em Fortaleza/Ce. (85)8604- 5569.

    Um abraço

  15. JUVENAL AZEVEDO DA SILVA disse:

    COLEGAS vamos seguir firme nesta luta, estou chegando agora, mas com muita disposição, atualmente moro em São Paulo -capital , ha quem diga que aqui tudo se inicia, meu email juvenalazevedo@bol.com.br, estou aderindo a tudo de corpo e alma. O BANCO JA COMPROU A NOSSA CAIXA, BCO STA CATARINA, QUER AGORA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO, MAS NÃO VAI COMPRAR NOSSA DIGNIDADE, ELE GRANDE MAS DEUS É BEM MAIOR!!!

  16. antonio alves de lima neto disse:

    AMIGOS,saí no pdv em 1995, não entrei com ação contra
    a PREVI,tenho um imóvel financiado, não faço pagamento
    das prestações e pelo jeito vão me ajuizar, me proporam
    um acerto das prestações atrazadas 2 vezes o que vale o meu apto.(sem contar o valor do capital).
    Me ajudem
    Posso entrar ainda com uma ação contra a PREVI?
    Como fazer e quem eu poderia procurar?
    Poe favor estou sem saber o que fazer e a quem procurar.
    um abraço a tôdos.

    • MILDRED disse:

      Entre no site http://www.jca.adv.br e entre em contato pois irão enviar documentos para entrar com essa ação de imóvel financiado pela PREVI

    • Tiago disse:

      O nome da ação é CARIM REVISIONAL, ou seja, vai ser analisado o seu contrato, e tanto pode acontecer do seu saldo cai um pouco ou estar sua divida quitada, ou eles teremq ue pagar algo além de quitada a divida!

  17. Colegas estou novamente com voces, vamos a luta, sou pedevista de 1995, e também sofri a mesma coação que todos sofreram, nos fizeram enchergar algo jamais visto e sentido, pois a eles o que interessava era su cargo futuro, como aconteceu com a maioria dos gerente da época. Em nenhum momento o BB nos Ajudou, nos amparou como havia prometido. No primeiro momento até entrar no banco não nos era permitido. Quando quebramos então, eramos ostilizados como persona-não-grata. Ora pois, nós ajudamos a restabelecer o BB. Nós saimos as ruas a captar quanto nos foi solicitado, nós convenciamos os clientes a deixarem seus valores aplicados nas poupanças quanto solicitados,mas, o que ganhamos, um encentivo a pedir demissão em onze dias, e sabem mais, alguns gerex. ainda diziam, duvido que tenhas esta coragem, tipo vou desafiar ainda mais a sencibilidade dele, vou provocar mais, vou feri-lo para ver o que vai responder. Mas pensam que foi só uma ou duas vezes. não. foram diversas veses durante o dia. Eu como substitudo do coordenador da época, até ameaça de tomar meu cartão por não devolver cheques de clientes tradicionais fui ameaçado. Se devolvesse, seria chamado a atenção, pois, aquele cliente era especial. então como agir. Ora pois, a preção psicológica esta ficando ameaçadora, até que alguns de nos tomamos a decisão do PDV. Mas o Coração ficou apertado, pois a nossa instituição que tanto defendia-mos estava, atraves de alguns maus carater, e de um governo que estava vendendo tudo, nos dispensando, não nos queriamos mais como seus colaboradores, Olha até trabalhas de madrugado na epoca das NCR, nós faziamos, abrir postos de atendimentos em que o gerente dizia que não podiamos gastar,faziamos parcerias com hoteis, para instalarmos o posto sem despesas de telefone, luz, água, corriamos o risco de andarmos com numerarios dentro de nossos carros, para abrirmos posto para o crescimento de nossa Casa. E o que ganhamos. Um pé n b. e a PREVI se apropriou indevidamente de nossa aposentadoria, e nos deixou na rua. pois temos que pagar mais hoje mais amanha. O que será de nós. Vamos lutar como sempre fizemos. Quando fomos solicitados ali estavamos. pois é o que vamos fazer. lutar até conseguir o que nos foi tirado. nossa dignidade.

  18. CAROS COMPANHEIROS,

    TEMOS QUE AGIR. O RELATOR DA COMISSÃO DE FINANÇAS DA CTASP FOI NOMEADO. PRECISAMOS ENCHER A CAIXA DE EMAIL DESSE PARLAMENTAR, POIS ASSIM PODEREMOS SENSIBILIZÁ-LO A EMITIR PARECER FAVORÁVEL À REINTEGRAÇÃO.

  19. Claudio Firmino da Silva disse:

    Prezados amigos, sou um dos que sairam no primeiro PDV do BB, em 1995. Fico pensando como a Previ cometeu tão grande injustiça: não nos devolvendo aqueles 1/3 da contribuição do BB. Mesmo com hiper superavit, no mínimo é falta de respeito para com pessoas que fizeram este banco crescer e contribuiram para a própria Previ.
    Gostaria de saber, se possível, como posso ingressar com uma ação para receber esta parte que foi usurpada pela Previ? Moro em Recife (PE).
    Obrigado.

  20. gilberto pereira bomfim disse:

    Descobrí este site por acaso. Fiquei bastante feliz com o que ví. Estou muito otimista com relaçao à aprovação do projeto de reintegração dos ex-funcionários do BB. Só acho que no projeto deveria constar o prazo máximo para o Banco reintegrar os pedevistas. Do jeito que está, só os desempregados tem prioridade. E os demais? O Banco, com certeza, vai usar essa brecha no projeto para não reintegrar tão cedo os pedevistas.

  21. maria de fátima barreto carvalho disse:

    marcelo dantas,

    sou pedevista, saí em 95,considero extremamente relevantes os propósitos da associação.
    Reforço o ponto de vista da colega Rita de Cássia, em 18.06.09, quanto à necessidade de divulgar o movimento a nivel nacional, via sindicatos e associações.
    Estou me associando via on line no site http://www.superavitprevi.com.br.
    Conte com meu apoio irrestrito.
    meu abraço,

    fátima barreto

  22. Antônio Carlos Martins Mattos disse:

    CAROS COLEGAS, em 16/07 usei o espaço para sugerir à ANDEBB, no que NÃO obtive resposta. A minha sugestão é a de que procuremos por meio de uma comissão um ADVGADO do naipe do Dr. MARCELO PIMENTEL, ex-Presidente do TST, com larga e vasta experiencia no assunto, obvio, atualmente advogando em Brasilia. Pelas manifestações estamos cansados da inoperancia/desinformações do Dr. José Carlos de Almeida. VAMOS TOMAR UMA ATITUDE OBJETIVA/ENERGICA? O blá-blá nao resolve… Meu e-mail: mannomm@hotmail.com

  23. Rubens Martins Fernandes disse:

    Gostaria de saber se alguem recebeu os “expurgos inflácionarios dos Planos Bresser e Collor” incidentes
    nos valores resgatados da Previ no PDV-1995.Abraços
    Rubens – Arapongas Pr

  24. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Estou antenado meste saite noite e dia e quero dizer que ainda temos colegas que fazem coisas de homens bem esclarecidos e conpetentes como o banco do brasil daquela época se encarregava de tirar de outros cantos para fazerem parte do seu maior patrimonio que era ser seu servidor. Parabéns para tais.

  25. SAMUEL ALVES DE FREITAS disse:

    Aproveito o ensejo para fornecer meus dados para formção do Cadastro Nacional.
    – Nome: Samuel Alves de Freitas
    – Posse no Banco: 28/04/1975
    – Data da demissão: 31/07/1995
    – Ação contra a PREVI: não
    – Contrato de rescisão: sim
    – Recebi o saldo do FGTS e multa sem a correção.
    – Agencia de desligamento: Nova Cruz/RN
    – Residencia: Nova Cruz/RN – Telefone (84) 9174-4449

  26. Samuel Alves de Freitas disse:

    Aproveito para informar meus dados para formção do Cadastro Nacional.
    – Nome: Samuel Alves de Freitas
    – Posse no Banco: 28/04/1975
    – Demissão: 31/07/1995
    – Ação Contra a Previ: não
    – Contrato de rescisão: sim
    – Recebi o saldo do FGTS e multa(multa sem a correção)
    – Ag. de desligamento: Nova Cruz/RN
    – Residencia: Nova Cruz/RN – Tel.(84)9174-4449

  27. Abigail Ferreira disse:

    Eh. Tudo no Brasil termina em Pizza… Previ dona da
    Perdigao, poderia entao fornecer pra nossa pizza alguns ingredientes bem básicos: peito de peru ligth, mussarela de bufala… Por que nao nos pagam o que devem<? Assim a gente nao ia precisar ficar discutindo o sabor da pizza… E triste ver no que se tornou o que foi nossa 2a casa um dia…

  28. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Abigail, sei que nunca lhe vi, mas sempre vi um relatório que se dava o nome de Almanaque, aonde se encontrava todos os dados dos funcionários do Banco do Brasil, que por muitas vezes, ouvi em momentos festivos e ou em grandes reuniões se falar em A GRANDE FAMÍLIA DO BANCO DO BRASIL. Para onde foi esta família?. E quem tratou em destruí-la?, quando nos tempos de hoje ouve-se falar em dar mais ênfase as famílias, estaS SIM, merece todo nosso respeito. Mas aqueles que se fizeram de irmãos e por trás trairam, NÃO MERECEM NOSSO RESPEITO. Até porque muitas famílias se destruiram pelo simples fato do que se chama: FATOR FINANCEIRO.

  29. FRANCISCO CANINDE DE MACEDO disse:

    Amigo Samuel,

    O amigo será mais um da nossa antiga agencia Lajes do Cabugi/RN a se associar a ANDEBB; pois eu, José Alves, Inailde, Emilton e Zenaide(os dois últimos não são da sua época), já fazemos parte. Confesso que até tentei te localizar através do 102, como tenho feito a procura dos demais colegas, mas não foi possivel.
    Hoje cedo ao chegar ao escritório e consultar os comentários deparei-me com o seu. Tentei entrar em contato por telefone mas não consegui.
    Aguardo retorno,
    Abraços.

    • Samuel Alves de Freitas disse:

      Estimado Colega
      Sim sou mais um da antiga Ag Lajes do Cabugi.
      Gostei muito de ter falado contigo pelo telefone no dia 24/08. Como faço pra entrar com Ação contra a Previ referente a retenção dos 2/3. Caso possa me envie através do meu email: fasempresta@hotmail.com.
      Aguardo o retorno
      Abraços.

      • FRANCISCO CANINDE DE MACEDO disse:

        Samuel,
        O amigo deu a entender que não entrou com nenhuma ação contra a Previ. Acontece, que hoje(26/08) deve ter sido julgado um processo no STJ de numero REsp 1110561, que havia sido selecionado para servir de base a pacificar o entendimento a respeito da prescrição, face as Decisões contraditórias tomadas a respeito do assunto. Por enquanto, aguardemos.
        Abraços.

      • José Carlos Lino Costa disse:

        Caro Samuel Freitas
        Como advogado, tenho acompanhado de perto essa questão da restituição da parte vertida pelo Banco a título de contribuição à PREVI. Infelizmente, ao contrário do que sustentam alguns colegas, o STJ já tem posicionamento formado sobre o assunto é nos é contrário.
        Ou seja, segundo o STJ, só são devolvíveis as contribuições feitas pelo próprio associado ao fundo da PREVI, mas não os do Banco.
        José Carlos Lino Costa
        Porto Velho (RO)

  30. FRANCISCO CANINDE DE MACEDO disse:

    Amigo Samuel,

    O colega é mais um da nossa antiga agencia Lajes do Cabugi/RN, a entrar no movimento em prol dos nossos direitos, pois eu, Inailde, josé alves(Mandala), Emilton e Zenaide(os dois ultimos não são da sua epoca),já fazemos parte dessa associação-ANDEBB.
    Tentei entrar em contato com voce por telefone mas não consegui. Gostaria que o amigo entrasse em contato comigo. (canindedemacedo@ig.com.br)
    Abraços pdvistas.

  31. Marco Antonio Ferreira Ramos disse:

    Marco Antonio Ferreira Ramos
    6.796811-2
    Tenho ação da Previ. Está na fase de perícia. Já se fazem 4 Anos. e-mail marcobank@ig.com.br

  32. JAIME BASSO 4579667X disse:

    AMIGOS DO BANCO DO BRASIL (DE ANTES..AGORA É BANDO!!! AOS COLEGAS QUE SAIRAM DO BANCO SEM RECEBER O COMPLEMENTO PREVI E TIVERAM CONTRIBUIÇOES ANTERIORES A 04/03/1980 EXISTE UMA CORRENTE/PENSAMENTO/VONTADE DE IMPLEMENTAR, VIA POLITICA (A MAIS ABRANGENTE) E AINDA VIA JUDICIAL, PARA QUE SEJA CONCEDIDO AOS (EX)ASSOCIADOS DA PREVI O PAGAMENTO DO COMPLEMENTO PROPORCIONAL “TEMPO PRÉ 04031980/TEMPO TOTAL CONTRIBUIÇAO À PREVI”, VISTO QUE O VALOR DAQUELAS CONTRIBUIÇOES, ALEM DOS 2/3, NÃO SÃO PASSIVEIS DE DEVOLUÇÃO, POR SER O SISTEMA ANTERIOR DE DIVISÃO DIVERSO DA POUPANÇA INDIVIDUALIZADA, CARACTERIZADA ASSIM A PERPETUIDADE DO VINCULO COM A PREVI E ILEGAL ENRIQUECIMENTO ILICITO DA PREVI, SE NÃO POSSIVEL NENHUMA DAS FORMAS DE GOZO ( VIA CDC): DEVOLUÇÃO OU PAGAMENTO MENSAL DE COMPLEMENTO PROPORCIONAL…
    ESTOU CENTRALIZANDO IDEIAS PARA IMPLANTAR AÇAO INOMINADA DE PROTESTO DE INTERRUPÇÃO DA PRESCRIÇÃO E PRAZO DECADENCIAL…NEM TODOS PODERÃO SER BENEFICIADOS, MAS OS QUE FOREM SUSTENTARÃO A POSIÇÃO POLITICA DA PROPOSTA A SER IMPLEMENTADA…
    OBSERVAÇÃO: NÃO ACREDITO EM NENHUMA SOLUÇÃO INDIVIDUAL, O BANCO E A PREVI SEMPRE CREU EM NÓS, NOS PEGANDO COMO OVELHAS DESGARRADAS…NA MANADA IREMOS ATROPELAR OS LADRÔES, OS MARAJÁS E OS INSANOS…VAMOR RECUPERAR NOSSA GRANA E NOSSA DIGNIDADE…AVANTE COMPANHEIROS…MANDEM E-MAILS DANDO CONTA DA SITUAÇÃO INDIVIDUAL PARA FAZERMOS UMA AMOSTRA INICIAL DOS COLEGAS LIGADOS, INFORMANDO: NOME, MATRICULA, POSSE NO BANCO, SAIDA DO BANCO, FORMA DE RETIRADA DA PREVI (SE INICIOU O RECEBIMENTO DE COMPLEMENTO NÃO TEM UTILIDADE PRA PESQUISA), SITUAÇÃO DE EMPREGO ATUAL E MAIS ALGO QUE QUEIRAM COMENTAR.. VAMOS CRIAR O PAPOPE-PARLAMENTO POPULAR PERMANENTE E BUSCAR NOSSOS OBJETIVOS…AGUARDO MANIFESTAÇÕES.jaimepavanbasso@hotmail.com

    • Edson Soares disse:

      Jaime,

      Estou entre os que ingressaram no BB antes de 1980 (tomei posse em 12/74) e achei muito interessante essa hipótese de perpetuidade do vínculo com a PREVI, inclusive porque vem ao encontro da tese de que o desligamento da PREVI, sem o resgate total da reserva matemática é um ato nulo. Acho importante ingressar o quanto antes com um protesto judicial interruptivo de prescrição, individual, ou coletivamente, enquanto se busca mais subsídios para o ingresso em juízo.

    • Samuel Alves de Freitas disse:

      Caro Jaime Basso.
      Sou mais um dos que foram alcançados pelo famigerado PDV de 1995. Estou plenamente de acordo com voce. Conte com minha assinatura no processo.
      Agurado suas noticias;
      e-mail: fasempresta@hotmail.com
      Abraços.

  33. JAIME BASSO 4579667X disse:

    COLEGA CESAR, ACERTOU EM CHEIO NA SUA OBSERVAÇAO. QUEM SAIU NUNCA MAIS É OUVIDO, NEM PELO BANCO, NEM PELA PREVI, NEM PELA ANABB, NEM PELA CASSI…O NEGOCIO É NOS ORGANIZARMOS…SEI QUE SÃO MAIS DE 50 MIL PREJUDICADOS…ESSA MASSA NAO TEM VOZ??? VAMOS CORRIGIR POLITICAMENTE, REINTEGRAR, DAR COMPLEMENTO A QUEM CONTRIBUIU ANTES DE 04/03/1980(contribuição indevoluto/complemento perpétuo garantido)

  34. JAIME BASSO 4579667X disse:

    COLEGA ARIo, ACERTOU EM CHEIO NA SUA OBSERVAÇAO. QUEM SAIU NUNCA MAIS É OUVIDO, NEM PELO BANCO, NEM PELA PREVI, NEM PELA ANABB, NEM PELA CASSI…O NEGOCIO É NOS ORGANIZARMOS…SEI QUE SÃO MAIS DE 50 MIL PREJUDICADOS…ESSA MASSA NAO TEM VOZ??? VAMOS CORRIGIR POLITICAMENTE, REINTEGRAR, DAR COMPLEMENTO A QUEM CONTRIBUIU ANTES DE 04/03/1980(contribuição indevoluto/complemento perpétuo garantido)
    De outra forma, os 2/3 foram colocados pelo ‘POVO BRASILEIRO’, o dono do Banco do Brasil, para que cada um de nós ex-funcionários tivessemos uma aposentadoria digna: se isso não ocorreu, essa grana deve voltar ao povo, atraves da assunção da PREVI pelo governo, redistribuindo aos tambem mais de 50 mil excluidos e formar o capital para a desejada reforma educacional integral, correção beneficios INSS, alem de limitar o complemento de todos os atuais complementaristas ao TETO DO INSS (R$ 4.650,00), como forma de justicializar e socializar nosso previdencia complementar, repito, formada com dinheiro do POVO BRASILEIRO

  35. JAIME BASSO 4579667X disse:

    COLEGA GERALDO, MUITA ATENÇAO, ME AJUDE POR FAVOR; TIVE SENTENÇA FAVORAVEL EM SENTENÇA INICIADA EM 2004; COM UMA MANOBRA DE LITIGANCIA DE MÁ-FÉ A PREVI “ESCONDEU” MEU PROCESSO POR 4 ANOS…AGORA VOU PEDIR NOVAMENTE A ANTECIPAÇAO DA TUTELA…PRECISO DE INFORMAÇOES DESSE VALOR INCONTROVERSO, COMO ALTERNATIVA, POIS MEU COMPLEMENTO FOI PRO ESPAÇO, MAS ESPERO RECUPERAR EM OUTRA AÇAO, QUANDO O TRANSITO EM JULGADO CONTRA O INSS VIER(ESTÁ NO STJ) POR FAVOR, MANDE NOTICIAS, É URGENTE.jaimepavanbasso@hotmail.com ou fone 54-8111-0803 (ligue a cobrar) grato JAIME BASSO

  36. JAIME BASSO 4579667X disse:

    COLEGA AMIGO, PRECISO DE TUA AJUDA SOBRE INDORMAÇAO DESSE “VALOR INCONTROVERSO” POIS MEU ADVOGADO VAI REPETIR O PEDIDO DE ANTECIPAÇAO DE TUTELA EM AÇAO EM QUE TIVE SENTENÇA FAVORÁVEL, MAS A LITIGANTE DE MÁ-FÉ PREVI “ESCONDEU”POR 4 ANOS DA VARA JULGADORA O PROCESSO, MEDIANTE COLOCAÇÃO DE NOME TROCADO EM PETIÇAO NO MEU PROCESSO…MUITAS INJUSTIÇAS, QUE VAMOS BUSCAR E COM CERTEZA AGORA “POLITICAMENTE” POIS ACREDITO QUE O JOGO VAI VIRAR, OU COM A MARINA, COM A LUIZA HELENA, COM O CRISTOVAO, COM O SERRA OU ATÉ COM A TAL DE DILMA, AS VITORIAS VIRAO…VEJA A SEGUIR UMAS TESES ABSOLUTAMENTE RACIONAIS…COLEGA jose paulino, ACERTOU EM CHEIO NA SUA OBSERVAÇAO. QUEM SAIU NUNCA MAIS É OUVIDO, NEM PELO BANCO, NEM PELA PREVI, NEM PELA ANABB, NEM PELA CASSI…O NEGOCIO É NOS ORGANIZARMOS…SEI QUE SÃO MAIS DE 50 MIL PREJUDICADOS…ESSA MASSA NAO TEM VOZ??? VAMOS CORRIGIR POLITICAMENTE, REINTEGRAR, DAR COMPLEMENTO A QUEM CONTRIBUIU ANTES DE 04/03/1980(contribuição indevoluto/complemento perpétuo garantido)
    De outra forma, os 2/3 foram colocados pelo ‘POVO BRASILEIRO’, o dono do Banco do Brasil, para que cada um de nós ex-funcionários tivessemos uma aposentadoria digna: se isso não ocorreu, essa grana deve voltar ao povo, atraves da assunção da PREVI pelo governo, redistribuindo aos tambem mais de 50 mil excluidos e formar o capital para a desejada reforma educacional integral, correção beneficios INSS, alem de limitar o complemento de todos os atuais complementaristas ao TETO DO INSS (R$ 4.650,00), como forma de justicializar e socializar nosso previdencia complementar, repito, formada com dinheiro do POVO BRASILEIRO

  37. JAIME BASSO 4579667X disse:

    COLEGA ROBERTO LUIZ NUNES, ENTRASTE NO BANCO NO DIA 19/11/76 EU NO DIA 22/11/76, SAI EM 09/11/2003 A PEDIDO, POIS O INSS NEGOU MEU BENEFICIO E TUDO PERDI, MAS NA JUSTIÇA IREI BUSCAR TUDO…VEJO QUE TEMOS DE LUTAR JUNTOS, TU TENS MUITOS DIREITOS, NAO PODES PERDER TEMPO, TENS DE FAZER UMA AÇAO DE PROTESTO DE INTERRUPÇÃO DAS PRESCRIÇOES E DA DECADENCIA…OU LITIGAR LOGO, NAO FIQUE NA MOLEZA…ESTOU NUM ESCRITORIO QUE FAZ TUDO DE GRAÇA, POR CONTA DOS HONORARIOS FUTUROS EM AÇOES VITORIOSAS…MANDE NOTICIAS…SEGUE ALGUNS ULTIMOS COMENTARIOS..

  38. Miguel Liba disse:

    Caros colegas,
    O que me preocupa é que se demorar muito tempo para ser tomada uma decisão conclusiva sobre a reintegração dos demitidos do Banco do Brasil, e se for computado o periodo entre o desligamento e o inicio de vigencia da lei, creio que muitos colegas, inclusive eu, já terei tempo de contribuição suficente para se aposentar. Diante deste cenario acredito que, quando o Banco do Brasil resolver convocar os ex-funcionarios, poucos irão assumir.

    • JAIME BASSO 4579667X disse:

      Amigo Miguel, desde 2006 a aposentadoria voluntária não obriga o encerramento do contrato do trabalho com o bb (adi pacificado); logo, se tua disposiçao é trabalhar e tua vida te levou ao bb, por concurso publico, enquanto quiseres podes continuar trabalhando…a questão previ é mais delicada, mas a solução politica, em pouco tempo, verás o pátria amada, será corrigida politicamente com os devidos acertos do marajato..

  39. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Nossos processos contra a PREVI, aqui na Paraíba foram desarquivados e voltamos a luta. VAMOS PESSOAL, VAMOS EMBORA QUE ESPERAR NÃO É SABER. Vamos fazer acontecer, neste Brasil dos Sarney da vida.

    • JAIME BASSO 4579667X disse:

      Amigo José Olimpio; Ai na Paraiba mesmo, em Joao Pessoa, tem um dos colegas que era um dos melhores quadros do BB, o Marcos Mucini, dono do Restaurante Mucini, Pizzaria em Cabo Brando e no Shopping, que deixou o Banco com a maior alegria, mas deixou o fututo e uma fortuna na PREVI..FIQUEI COM INVEJA DO SUCESSO PARTICULAR QUE FAZ, MAS TRISTE POR SER MAIS UM ROUBADO PELA SUPERAVITARIA CACHAÇARIA DO LULA…QUEM SABE O COOPTAMOS NESSAS AÇOES PARA CORRIGIR O MAL FEITO

  40. Samuel Alves de Freitas disse:

    Jose Olimpio
    Gostaria que me desse mais detalhes sobre essa ação contra a PREVI.
    e-mail: fasempresta@hotmail.com
    Desde já agradecido,
    Samuel

  41. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Colega Samuel (ex), mas sempre fomos considerados como uma grande família do bb e hoje estamos separados por umas fraudes descaracterizadas por uma politicalha ladroista que comanda este nosso país tão grande e tão rico. Mas vamos ao que interessa e que iremos em frente até a última gota de sangue de nossas vidas, enquanto aqui estivermos nesta terra que Deus nos deu, e que querem só para ELES (políticos descarados). Nosso processo em que alguns já começaram a receber colegá, é no site do tribunal de justiça – http://www.tjpb.jus.br e o número dele é 20020023963685. Meu email é olimpiomaia1@hotmail.com

  42. JAIME BASSO 4579667X disse:

    Amigo Samuel,
    Gostaria que me passasses dados como posse no Banco, data e forma da saida,destino da sua opção Previ, se ajuizou alguma açao contra BB ou PREVI; Fui auditor e ao pedir aposentadoria passei pelo drama do assédio moral instransponivel, de modo que “sei tudo” sobre a situaçao dos colegas, principalmente a total desorganizaçao dos demitidos, que deixaram fortunas na PREVI e estao vivendo misérias, absolutamente desnecessárias se organizarmos um pouco o marajato…mande pro e=mail jaimepavanbasso@hotmail.com

  43. Ana Cristina Fantin disse:

    Sr. Jaime Basso
    Meu pai é do pdv do BB de 95. Como todos os outros colegas sofreu mt e sofre ainda. Depois de muito tentar uma outra olocação sem muito sucesso, até de pedreiro e marceneiro trabalho.Em 2004 reingressou no BB atraves de concurso. Mas afalta de dinheiro anteriormente e depois com o baixo salario ficou impossivel pagar a prestação da Carin. Hoje tambem esta sendo ameaçado de despejo. Ele não e-mail pq não tem um computador e agora teto q esta prester a perder. Minha preocupação é se ele ainda pode ingressar contra a previ, pois não aderiu ao plano no reingresso. E se a divida na previ pode ainda faze-lo perder o emprego. Por favor fico no aguardo, Ana Cristina

  44. Marcos Estêvão Santos Tergolino disse:

    Caro Jaime Basso,
    Também sou um dos milhares pdvistas que estão passando pelas dificuldades que nos deixaram, quando daquele fatídico ano de 95.
    Tomei posse em 05.07.77, e no dia 30.07.95 me desliguei do Banco, com opção de desligamento total da Previ, trocando minha carreira de Analista de OSM C em Belo Horizonte por inúmeras VANTAGENS oferecidas pelo Banco.
    Arrependo-me, também, por não ter entrado com nenhuma ação contra o Banco, por horas extras e outros serviços prestados, e nem contra a PREVI.
    Gostaria de receber mais orientações a respeito, já que pretendo, daqui por diante, lutar pelos meus direitos e acompanhar tudo que tem sido feito por todas as entidades que tem nos defendido.
    Agradeço antecipadamente.

    Marcos Estêvão

    • José Carlos Lino Costa disse:

      Caro Marcos Estevão
      Vi-me em situação semelhante à sua. Tomei posse em 04/01/77 e me desliguei no 1o. PDV em 31/03/1991.
      Ingressei com ação trabalhista contra o Banco pedindo horas extras e reflexos, embora, à época, eu tivesse cargo comissionado. Ganhei a ação, porém, não requeri a restituição do IR cobrado sobre a parte das reservas que a PREVI me devolveu.
      Contra a PREVI movi somente ação para reaver os expurgos; ganhei em primeira e segunda instâncias, mas perdi no STJ, por conta da prescrição de 5 anos.
      Hoje advogo pelos direitos de meus ex-colegas, razão pela qual sugiro que os demitidos ingressem em juízo logo ao se desligarem para evitar a perda de seus direitos, já que o prazo de prescrição da ação trabalhista é de 2 anos e a ação de cobrança contra a PREVI deve ser proposta em até 5 anos.
      Parabenizo a Andebb pela idéia de sua criação e agora vou continuar acompanhando as novidades e os comentários sobre o assunto PDV.
      José Carlos Lino Costa
      Advogado em Porto Velho (RO)

  45. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Caro colega Marcos Estêvão;
    Tenho aconpanhado todos depoimentos que assim como voce o fez. Achei muito interessante sua decisão àquela época, não ter investido com todas as ações possíveis de decisões favoráveis, que até aquele instante, estávamos tanto precisando. Graças ao bom Deus, já vi o Banco, a partir daquele momento como um inimigo meu, e entrei logo nos primeiros dias de demitido, contra o Bano (horas extras, que ganhamos 5:45 hs durante cinco anos, deu um bom dinheiro, mas me tomaram; IR advogados e outros). Também naquele mesmo instante esntramos contra a PREVI,nossos 2/3 que iremos ganhar, isto pode ter certeza,das quais, eu não me arrependo, e mais que apareça, entrarei, se fosse possível, faria qualquer outra coisa,já que me mataram prá sempre, psicologicamente falando. Abraços. Colegas, não abramos mãos. Vamos investir contra estes verdadeiros ladrões de vidas humanas. CORAGEM E FORÇA!!!!!!!!

  46. Marcos Estêvão Santos Tergolino disse:

    Caro colega José Olimpio,
    agradeço suas palavras encorajadoras e espero continuar acompanhando todas as informações que forem postadas neste meio de comunicação.
    Tenho certeza que a Justiça Divina não tarda e não falha.
    Tudo que merecermos, sempre teremos, mas nem sempre na hora que achamos que deve. Tudo tem sua razão de ser e até mesmo as coisas que nos beneficiarão serão dadas no momento que tivermos o amadurecimento suficiente para realmente tirarmos proveito delas.
    Abraços e aguardo notícias.
    Obrigado

  47. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Parece até que ainda continuamos vivos. É, até parece, pois aconpanhando todos os dias o desenrolar de nosso salva-vidas, o Projeto de lei 512 de 2007 do qual o sr. dep. Federal Guilherme é o relator, parece-me que apareceu mais um filho de Deus, o dep Carrera, entrou com um requerimento, vamos o que vai dá. Só com nosso Deus chegaremos lá, pois não merecemos o que fizeram conosco. Aconpanhemos atentos e marchemos em frente e vamos em cima destes que se dizem fazedores de leis deste nosso país. Eu quero ve-los quando chegarem lá no outro mundo se as leis deles valerão!!!

  48. Floriano Ribeiro de Mello disse:

    Colegas

    Contem comigo nesta luta.

  49. Francisco CESAR de Alcantara Ferreira disse:

    Colegas,
    Eu, assim como milhares de colegas, entrei com ação contra a Previ, no ano de 1998, através do Dr. Jose Carlos.
    Até hoje ainda não saiu o resultado final.
    Vendo diversas propagandas do Conselho Nacional de Justiça, na TV, mandei um e-mail através do site do CNJ.
    Eles responderam que se meu processo estiver no M2 (meta 2)possivelmente encerrará até o final deste ano, pois esta é a meta que a Justiça fixou para encerramento final dos processos distriuidos até o ano de 2005.
    Peço que os colegas pequisem a esse respeito no site do CNJ e coloquem o assunto em pauta para os demais companheiros.
    Um abraço a todos.
    CESAR.
    Fortaleza-CE.

  50. Rosangela de Carvalho Barretto disse:

    Prezado Colega,

    Venho passando por necessidades absurdas desde que saí do Banco,como centenas de colegas.
    Não sei o que se passa pela “cabecinha” destas pessoas que compõem a PREVI mas, deviam ver que o dinheiro é nosso e que trabalhamos diuturnamente só para o bem do patrimônio que acreditávamos que era nosso.
    Venho contatando diariamente, com os advogados que fazem parte da comissão liderada pelo Dr.José Carlos de Almeida e somente obtenho respostas vagas,sem nenhuma esperança.
    Acho que devemos nos unir de alguma forma,para pressionarmos etas pessoas sem um minimo de sentimentalismo.
    Um abraço a todos que estão no mesmo barco que eu
    Rosangela

  51. jose carlos campos disse:

    Realmente é muito simples as diretorias da Previ fazerem péssimos negócios, tais como aquele Parque Temático em SP e o Costa de Sauípe, que geraram muitos milh~es em prejuízos para o Fundo, e depois ficar tomando imóveis de ex-funcis que se viram impossibilitados de honrrarem seus pagtos.Deveriam se envergonhar de tamanha covardia, ou então, serem demitidos por má gestão do dinheiros dos associados.

  52. rui sergio wenck disse:

    COMO SABER INDICES USADOS PARA CORRIGIR PRESTAÇÕES DA CARIM, FINANCIAMENTO DE AGOSTO/1991 ?

  53. Claudio Firmino disse:

    Caros amigos, gostaria de saber como faço para colocar a Previ na justiça sobre a restituição da parte que ela reteu dos PVDs. E que me enviasse, se possivwl o e-mail do advogado e ex-funcionario do BB que está ajuizando ações contra a Previ.
    Obrigado.

  54. josé olímpio maia sobrinho disse:

    Eu estou sempre lendo e relendo estes comentários e até mesmo as histórias dos demitidos do Banco do Brasil, e acho que seria muito interessante que estes colegas que gerenciam este site, colocassem estes, a disposição dos principais jornais do país, pois só assim, reconheciriam o que se passou com todos nós. Eu acho que o governo e demais pasrticipantes de uma parte da sociedade política (podre por sinal), não está nem ai para os acontecimentos em vários lares por este país à fora. Jogue-os na mídia e a sociedade bem intencionada verá como tudo ocorreu nas caladas da noite.

  55. JOSÉ CARLOS DIAS DE SOUSA 5.353.530-8 disse:

    Estive na ativa, no BB, no período (1975/1991). Fui demitido no “interesse do serviço”. Pergunto: Terei direito a resíduo financeiro devido pela PREVI, mesmo tendo recebido o que me era devido, segundo a PREVI, quando da minha saída? Por favor alguém responda-me para o E-mail: josecarlosdiasmusico@gmail.com

  56. josé olímpio maia sobrinho disse:

    Atenção aos navegantes:
    Aqui na Paraíba, como já foi relatado em um, dos tantos comentários meus, já saiu parte de uma das ações que temos contra esta entidade PREVI, mas só de alguns colegas, pois entramos em 97, logo que saimos,fazendo parte de um só bloco, à época foi arquivado, e agora tendo sido desarquivado, já foi liberado para alguns, mas o que eu não entendo, é que, se nós estávamos em um mesmo barco, o despacho dos juízes está sendo na base do conta-gotas. Por quê? Será, será a força bruta agindo mais uma vez?

  57. Thomaz Luiz Abatti disse:

    Oi colegas, estamos no mesmo barco, e , lendo a materia do colega da Paraiba de 15.11.09, também pergunto a voces, o meu processo contra a previ foi arquivado em 2005 no tj do Rio. Como faço para desarquivar e tocar em frente. agradeceria muito pela informação.Isso pode? de que forma?

  58. josé olímpio maia sobrinho disse:

    Colega Thomaz, acho que o nosso aqui da Paraíba, só quem pode dá uma luz a este respeito, sáo os nossos advogados, pois alguns colegas já chegaram a pegar um pouco desta, pois entramos aqui,logo após nossa demissão em 1997 tendo sido arquivado em seguida no mesmo ano, quando agora em junho de 2009, foi desarquivado e com poucos meses colocaram a mão na nota. Nossos advogados são aqui de João Pessoa, Heitor Cabral da Silva e André Luiz de Farias costa, donforme vc entrando no site do Tribunal daqui que é http://www.tjpb.jus.br ai vc vai onde tem um quadro e abre em nome da parte, no caso abra em meu nome e vai ver o andamento, não sei o telefone deles, depois poderei arranjar.

  59. francisco edimar carvalho brito disse:

    O presidente da ABRAPREV concedeu entrevista para rádio e relevisão para falar sobre questão do fator previdenciário. Porque não falar sobre a fraude no Decreto 81.240/78, já que tal fato foi comunicado a Ministra, Ministros, Presidentes, etc. e ao meu ver não se sensibilizaram, pois até o momento não soube de manifestação alguma de algum deles, para ressarcir danos causados por tal falcatrua. O Banco do Brasil continua cada vez mais rico e o Superavit da PREVI cada vez maior, as custas do dinheiro dos PDvistas. Vamos a luta ABRAPREV, depois de completar um aninho e com a união com a ANDEBB, podemos angariar fundos levando este caso ao JORNAL NACIONAL. Ou os políticos não deixam?

  60. francisco edimar carvalho brito disse:

    TV Nacional de Brasília e Rádio Nacional FM e AM.Conforme clip “TODAS NOTÍCIAS” do dia 26.11.09 do site http://www.abraprev.org.br.
    Obrigado,
    edimarcontabil@hotmail.com
    EDIMAR

  61. celodan disse:

    Por enquanto não é necessário enviar procuração. O telefone é (79) 8113-6382, o fixo é 3217-5907 mas somente das 14h às 19h.

  62. Fernando Torrens disse:

    Parabéns a todos pela luta incansável e pelas iniciativas. Não tinha nem idéia que havia um movimento tão organizado assim. Desta forma creio que a luta pelos 2/3 que a Previ se apropriou não está perdida, nem que seja para compensar na liquidação dos imóveis financiados pela Carim para quem não pode mais pagar ( é um absurdo a mesma entidade que se apropria de dinheiro de associados, cobra os mesmos em financiamentos imobiliários, podendo gerar inclusive um sério problema social). Só acho que um movimento como este deveria ter mais mídia e visibilidade. Notícias em jornais, informativos de sindicatos, televisão deveriam ser uma constante, mas parabéns mesmo pela luta organizada.

  63. Manoel Emiliano da Silva Costa Neto disse:

    Sou exfunci do BB sai no PDV, como não tive condiçães de continuar pagando o financiamento da casa passei com um contrato de gaveta o comprador não pagou e eu não consigo resolver o problema, nem contato com o BB. Algem pode me ajudar

    • Mauricio Macedo Nery disse:

      Caro Manoel Me chamo Mauricio E posso te ajudar.
      Mas preciso do seu telefone.
      Pois tenho boas noticias pra vc.

      • Manoel Emiliano da Silva Costa Neto disse:

        Caro Mauricio, a situaçao ficou tão ruim que a muito não tenho acesso a computador. Somente agora é que pude ver o seu recado e também ja estou morando lem BSB, fone 61 81145593

    • Mauricio Macedo Nery disse:

      Meu tel: 61. 8613 4406

  64. Carlos Alberto Lombardi Morriello disse:

    Marcelo bom dia,

    Gostaria de receber por email informações de como me filiar a ANDEBB e a documentação necessaria para esse processo contra a Previ.

    obrigado,

  65. Maria do Socorro Sales Soares disse:

    Também sou pedevista.Como fazer para participar deste movimento?Nossos direitos serão reconhecidos algum dia?
    Nossa voz será ouvida?Por quem?Por aqueles que pisotearam nossos sonhos,tiraram a comida da nossa mesa,acabaram com a nossa auto-estima,o nosso direito a um plano de saúde,a educação dos nossos filhos?Eles desconhecem espírito de humanidade…consideram-se senhores da verdade…Brincam com os sentimentos humanos sem dó nem piedade e nem lembram que ali entramos que nem eles:através de concurso público…não como os funcionários do antigo BEP-PI,que foram tão bem acolhidos pelo BB quando da aquisição da tal massa falida…
    Sou pedevista sim,sim senhor,Mat 6.868.975-6.Entrei em 11/81 e sai, após grande pressão da gerência, na noite de 31/07/95.
    Como foi difícil recomeçar…passei todo tipo de necessidade que se pode imaginar:eu e meus filhos.
    Meus direitos nem sei quais são e só agora tomei conhecimento da existência desse movimento.Quero entrar nesta luta até para amenizar a dor que ainda hoje carrego comigo.Agradeço os esclarecimentos que alguém possa me repassar.

  66. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Amiga Maria do Socorro<
    Neste país feito de políticos da qualidade do governador do Distrito Federal, só eles têm razão e nada acontece, mas como nós que fomos escurraçados por uns transmissores de maus como os mosquitos da dengue, da malária e muitos outros que estão por ai só para fazer o mau meu desejo é que o Cão (diabinho) leve-os para seu devido lugar que é o inferninho. Um dia eles todos terão. Um abraço, e que estes nossos protestos sirvam para alguns ouvir e fazer com que isto bata as portas de quem deles se fizeram usar.

  67. Maria do Socorro Sales Soares disse:

    Já fiz o depósito na conta cujo número me foi enviado via e mail.Irei providenciar o mais rápido possível a remessa da cópia do recibo.No Ceará,quem representa a associação?Moro em Fortaleza e gostaria de manter-me informada sobre o assunto e até para saber quais nosos direitos.Muito grata a quem puder me repassar alguma coisa.

    • celodan disse:

      Maria do Socorro, não temos representante no Ceará. Sobre a Ação já existem informações
      neste mesmo site na forma de respostas aos comentários aqui colocados.
      Após o protocolamento da Ação enviaremos a cópia do processo por email.

  68. Francisco CESAR de Alcantara Ferreira disse:

    COLEGAS,
    VEJAM A RESPOSTA DA OUVIDORIA DO CNJ SOBRE MEU QUESTIONAMENTO.
    VEJAM O QUE SE PODE APROVEITAR.
    SAUDAÇÕES.
    CESAR
    Subject: ENC: Ouvidoria – CNJ
    Date: Tue, 9 Mar 2010 09:31:26 -0300
    From: francisco-cesar.ferreira@caixa.gov.br
    To: francisco.cesar.ferreira@hotmail.com

    ——————————————————————————–

    De: nao_responda@cnj.jus.br [mailto:nao_responda@cnj.jus.br]
    Enviada em: terça-feira, 9 de março de 2010 08:28
    Para: Francisco Cesar de Alcantara Ferreira
    Assunto: Ouvidoria – CNJ

    Protocolo de nº 6456

    Ao Senhor

    francisco cesar de alcantara ferreira

    Os presidentes dos tribunais de todo o país aprovaram, nesta sexta-feira (26/2), durante o 3º Encontro Nacional do Judiciário a nova Meta 2 da Justiça brasileira que prevê o julgamento de todos os processos de conhecimento distribuídos nos tribunais, inclusive superiores, até 31 d e dezembro de 2006. No caso dos processos trabalhistas, eleitorais, militares e do tribunal do júri, os julgamentos devem englobar também os casos distribuídos até dezembro de 2007. No caso do tribunal do júri, a meta está relacionada com a ação estratégica prioritária definida para o Judiciário em 2010 que é a área criminal.

    Caso Vossa Senhoria ainda não tenha verificado a situação do processo junto a Unidade Judiciária em que tramita, sugerimos contatar o Juiz responsável. Não havendo solução, é possível solicitar providências à corregedoria local.

    Caso queira, poderá promover uma Representação por Excesso de Prazo perante o Conselho Nacional de Justiça, nos termos do art. 78 do Regimento Interno do CNJ.

    As petições podem ser encaminhadas pelos Correios (encomenda normal ou SEDEX) ou protocoladas diretamente no balcão da Secretaria do CNJ (protocolo), localizado na Praça dos Três Poderes, Ed. Anexo I do Supremo Tribunal Federal, 1º An dar, Brasília-DF, CEP 70.175-900.

    É possível, ainda, encaminhar petições e documentos via fax, para o telefone nº 0xx61-3217.4505, valendo-se da Lei nº 9.800/99. Nesse caso, os originais da petição e documentos deverão ser entregues ao CNJ em até cinco dias, para que se dê continuidade ao processo.

    Não é necessário constituir advogado. A petição deverá ser acompanhada de cópias do documento de identidade, do CPF e do comprovante ou declaração de residência do requerente, salvo impossibilidade expressamente justificada no requerimento inicial, conforme Portaria nº 174, de 26 de setembro de 2007, publicada no DJ, seção 1, do dia 02-10-07.

    Mais instruções poderão ser obtidas com a leitura do Regimento Interno do CNJ, acessível em http://www.cnj.jus.br, menu Legislação. No menu Corregedoria/Fale com a Corregedoria, é possível obter um modelo de representação, para auxílio.

    Atenciosamente,

    Conselho Nacional de Justiça

    Ouvidoria

    Anexo I – Supremo Tribunal Federal, Praça dos Três Poderes, S/N – Brasília (DF) – 70175-900

    —————————————————

    Nome: francisco cesar de alcanta ra ferreira

    Recebido em: 8 de março de 2010

    processo 1998.011.066709-4 TJDFT

    ————————-

    Gostaria de saber porque meu processo acima não tem conclusão final, pois já se arrasta desde 09.11.1998 (12 anos).

    Este é um e-mail automático. Por favor, não responda.
    Para entrar em contato, utilize o Formulário Eletrônico do serviço “Ouvidoria” situado no endereço http://www.cnj.jus.br/index.php?option=com_content&view=article&id=7696&Itemid=931&numtab=0
    Este é um serviço meramente informativo, não tendo, portanto, cunho oficial.

  69. Pedi demissão e deixei os quadros do BB em 2003. Atualmente sou aposentado pelo INSS, mas continuo atuando como Corretor de Imóveis e Escritor na Serra Catarinense.

    Resgatei minha reserva matemática na Previ em função do baixo valor de complemento a receber por conta da elevação do teto da Previdência e dos cálculos prejudiciais da famigerada Parcela Previ. Tempos depois ingressei com processo para recuperar as perdas com os Planos Econômicos e já venci em primeira instância. Também estou acionando a Receita Federal para recuperar o imposto de renda retido por ocasião do resgate da Reserva Matemática. Enfim, fui atrás de meus direitos e espero obter êxito no final da peleia.

    Gostaria de encontrar ex-participantes do Plano 1 para mover ação coletiva ou individual sobre a distribuição dos Superávits, tendo em vista que nenhum de nós até o momento foi contemplado com um centavo sequer, inobstante tenhamos contribuído para o fabuloso montante de recursos que geram tais superávits, nem tivemos condições de resgate das contribuições patronais realizadas pelo BB enquanto éramos funcionários. Se eu mover ação, sozinho, diante da poderosa Previ posso até ganhar em primeira instância sem haver jurisprudência firmada, mas não consigo avançar nas instâncias superiores se não houver uma grande quantidade de ações dessa espécie.

    Contatos: (49) 3222.3344/9991.1956 e o e-mail acima.

    Um abraço,

    José Carlos

    • Frederick disse:

      José Carlos, irei entrar com uma ação parao meu pai com a finalidade de obter a restituição da contribuição patronal, a peça está quase pronte, só ta faltando alguns retoques, mas se quiser posso enviar para o seu email.. assim vc poderia me dar umas dicas se possível.. segue meu email.. fred_forbat@hotmail.com

  70. Buenas Ex-Colegas de BB,

    O colega Jaime Basso, com texto acima, repassou-me sentença favorável a um grupo de ex-funcis acerca da Renda Certa da Previ.

    Aproveito para repassaar-lhes.

    UNAMIBB
    “Si causa nostra iusta est, pro nobis =eus”

    Abaixo a íntegra da sentença da ação do benefício Renda Certa julgada procedente:

    Processo nº: 2008.001.305236-0

    “Vistos etc… Nestor Rigatti e outros ajuizaram Ação de Cobrança face de Caixa =e Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil – Previ alegando que são =ntegrantes do Plano de Benefícios nº 01 administrado pela ré, para qual =ontribuíram e contribuem na forma prevista em seu ato normativo, objetivando =omplementar a aposentadoria concedida pelo INSS. Informam que o plano do qual =articipam foi encerrado em 27/12/1997, não permitindo novas adesões, em =bservância ao disposto no parágrafo 1º, artigo 47 do Estatuto. Afirmam que o =espectivo plano registrou no ano de 2006, o terceiro superávit consecutivo, em =onsonância com o disposto no artigo 20 e seus parágrafos da Lei Complementar 109/2001, constituindo a reserva de contingência, com o excedente, a Reserva =special e iniciou a revisão do Plano de Benefícios com a suspensão anual das =ontribuições do patrocinador, dos participantes e dos assistidos, ainda na vigência =o exercício de 2008. Entretanto, ressaltam que houve violação ao =rincípio da isonomia quanto ao critério utilizado pela ré para se utilizar a =eserva Especial (P371) do exercício de 2006 em benefício dos participantes =tivos e assistidos, consistindo na alteração do Regulamento Básico do =lano de Benefícios 1, com a criação dos Benefícios Especiais de =emuneração, de Renda Certa e de Proporcionalidade (artigos 82 a 94, do Regulamento vigente a =artir de 19/12/1997), cuja concessão estabeleceu exigências de tratamento =ue discriminam os participantes entre si. Aduzem que existe a =reocupação em se corrigir, isonomicamente, substituindo a diferença de tratamento =stabelecida pela ré em critérios equânimes, observada a proporcionalidade dos =enefícios percebidos e/ou das proporcionalidade vertidas. Tal medida impediria a =iolação de direitos adquiridos no tocante ao critério de distribuição da =eserva para revisão do plano de benefícios, cuja base deve ser fundamentada pelo =empo de contribuição do associado e não pelo de atividade dentro do Banco =o Brasil. Salientam o desrespeito incluso no parágrafo 4º do artigo 88 do =egulamento, que estabelece quais seriam seus beneficiários, ou seja, aqueles cujas =ontribuições deram-se entre 04/03/1980 e 31/12/2006, período este que foi o =pontado pela ré de capitalização do Plano 1. Consideram, portanto, que o critério =a distribuição foi meramente casuístico para aqueles que =ontribuíram ativamente durante quase trinta anos, excluindo a maioria dos participantes que contribuíram, e ainda o fazem, para formação do superávit que =eu azo à reserva, cuja distribuição se realizou, por tratar-se a reserva especial de =atrimônio de todos os participantes e assistidos do plano de benefícios nº. 1, =evendo ao todos, isonomicamente, ser distribuída. Os autores ainda suscitam questionamentos que levam a crer que houve inobservância da =egislação previdenciária aplicável, bem como a direitos constitucionalmente =arantidos aos associados. Salientam que a inconsistência do argumento utilizado pela =REVI, resulta da previsão do próprio estatuto, em decorrência do acordo =irmado entre esta e o Banco do Brasil para transferir à Previ as reservas =atemáticas dos funcionários admitidos no Banco do Brasil antes de 14/04/1967, não =orrigindo desta forma as injustiças inerentes ao não pagamento de benefícios =ue eram devidos, os quais foram negados e seus valores permanecem no Fundo, =ontribuindo para seu enriquecimento sem causa, na mesma medida em que contribuíram =ambém para a formação do superávit. Requerem a condenação da ré ao =agamento das quantias apuradas referentes ao Plano de Benefício de Renda Certa, =sto é, que excederem o limite mínimo de 360 contribuições, a contar da data =e aposentadoria até a data da suspensão geral (DEZEMBRO/2006). =companham a inicial de fls. 02/24, os documentos de fls. 25/162. Contestação =presentada às fls. 179/198, procuração às fls. 214/215, documentos a fls. =99/213 e 216/235, deduzindo em sua defesa, primeiramente, a prescrição qüinqüenal, =onforme os artigos 103 da Lei 8.213/91, 75 da lei Complementar 109/2001, artigo =78, § 10, inciso II do CC/1916, com relação as diferenças postuladas =nteriores aos últimos cinco anos. Afirma que a relação jurídica entre os =utores e a ré pauta-se por normas estatutárias, portanto não contratuais. Salienta =ue a pretensão autoral afronta os princípios do equilíbrio atuarial, do =utualismo e do pacta sunt servanda. Sustenta a violação dos artigos 42, V, da =ei 6.435/77; art. 31, § 2º, Decreto 81.240/78; art. 14 da Lei Complementar =09/2001; art. 6º da LICC e art. 5º, II e XXXVI da CRFB, alegando que o ponto discutido, =plicação do Benefício Especial no período considerado, corresponderia =xatamente ao pagamento de valor equivalente a tais contribuições vertidas para o =lano sem qualquer aproveitamento no cálculo do benefício, demonstra que caso = participante tenha completado 30 anos de filiação no período =ompreendido e não tenha imediatamente entrado em gozo de aposentadoria, terá direito ao =enefício especial de renda certa, cujo o cálculo se dará na forma =stabelecida no artigo 88 do Regulamento do Plano, ou seja, será calculado com base no =omatório das contribuições pessoais e patronais vertidas entre a data em que =ompletou 30 anos de filiação ao Plano e a data da concessão de benefício =ela PREVI, observando-se o limite de 31/12/2006. Completam sua tese defensiva =izendo que não há que se falar em cálculo de referido benefício no caso de =articipantes que tenham se aposentado com tempo de contribuição para o Plano =enor ou igual aos 30 anos ou 360 meses. Pois a motivação para adoção deste =omo um dos parâmetros para distribuição de superávit é o fato de =ventuais contribuições feitas após o 360º mês de filiação não influírem no =álculo do benefício. Concluem, assim, que os participantes não preenchem os requisitos para =btenção do referido benefício, não podendo se falar em ofensa ao princípio =a isonomia. Acredita que não existe nenhuma discriminação feita pela ré ao =onceder o Benefício Especial de Renda Certa, em virtude do superávit da PREVI, =lém do fato de que o artigo 68 da LC 109/01 deixar clara a natureza contratual =a relação jurídica existente entre a entidade de previdência =omplementar e seus participantes e/ou assistidos, restando inafastável a aplicação =as regras constantes no Estatuto e no Regulamento do Plano de Benefícios ora em =ela. Por último, salienta-se que a reserva do Plano de benefício da ré é =ormada, via de regra, por meio de recolhimento das contribuições previstas no plano =e custeio e, caso ocorram súbitas e inesperadas alterações, não =assíveis de previsão e inclusão prévia no plano de custeio, faz-se necessária a =ntegralização da reserva correspondente. A ausência de contribuições na época =rópria, impossibilita a formação da reserva necessária, garantia do valor =o benefício, o que ensejaria a obrigatoriedade de integralização da reserva =orrespondente, caso os valores recolhidos não alcançassem montante equivalente à =eferida reserva. Em Réplica, fls. 241/244, a parte autora rebate os argumentos =constantes da contestação, posto que a aplicação da Súmula 291 =o STJ trata de parcelas de complementação de aposentadoria como prescritíveis em = anos, entretanto o que se quer concerne a denominada verba ´P371´ ou =enefício especial de renda certa, que encontram-se inseridas no qüinqüênio =ue precede o ajuizamento da presente ação. O que se quer impugnado é o artigo =8 do Regulamento da PREVI que, em seu parágrafo 4º implementou um =ritério de utilização da reserva que constitui o tratamento desigual entre os participantes. Instados a se manifestarem em provas, os autores reiteram =s pedidos formulados em sua peça inicial e a ré reitera que o conjunto =robatório acostado aos autos é considerado suficiente para ilidir a pretensão =utoral. É O RELATÓRIO. DECIDO. Buscam os autores, participantes do Plano de =enefício 1 da Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil =estabelecer o tratamento isonômico entre os participantes uma vez que afirmam que a =é, ao alterar o regulamento básico e criar benefícios especiais ´de =emuneração´, ´de renda certa´ e de ´proporcionalidade´, estabeleceu tratamento =iscriminatório entre eles. Requerem, assim, que o benefício de renda certa, =onsistente na devolução das contribuições pessoais e patronais efetuadas à =revi que tenham excedido o limite mínimo de 360 contribuições até a data da =uspensão geral. Da prescrição qüinqüenal. Sustenta a ré que a prescrição =üinqüenal, por aplicação da s. 291 do STJ é aplicável a pretensão dos autores. No entanto =arte da premissa falsa de que a pretensão dos autores surgiu quando da sua aposentadoria. Ao contrário do que afirma a parte ré. Os autores =uscam receber distorções oriundas da mudança do estatuto em 2006, quando foram =riados benefícios que consideram elitistas e discriminatórios. É evidente =ue de 2006 até a data da propositura da ação não transcorreu o prazo de 5 =nos atinente a perda do direito de ação para cobrar parcelas de complementação =e aposentadoria. Desta forma, rejeito a preliminar de mérito argüida. =o mérito Deve-se primeiro delimitar a questão controvertida. A Caixa de =revidência dos Funcionários do Banco do Brasil é uma entidade fechada de =revidência complementar. A Constituição Federal em seu art 202 estabelece que a =revidência privada de caráter complementar é facultativa, baseada em =onstituição de reservas que garantam o beneficio contratado, na forma da lei =omplementar. Em razão das normas constitucionais a previdência complementar possui características próprias. Por ser facultativa tem a natureza =ontratual, baseada na constituição de reserva se funda em caráter contributivo e =etributivo. Neste ponto deve-se ressaltar que não há solidariedade neste sistema. =ortanto, as considerações feitas para a concessão de benefícios devem levar =m conta apenas o valor de contribuição e ser proporcional a este. Assim não há =omo conceder benefícios sem ônus para alguns poucos participantes, deixando a =aior parte dos contribuintes excluídos da repartição da reserva. A lei =omplementar 109/01 estabelece em seu art. 17 que qualquer alteração processada nos =egulamentos dos planos deve observar o direito acumulado de cada participante. Este =iploma legal também regula as hipóteses de superávit e de repartição =a reserva especial. Art. 20. O resultado superavitário dos planos de =enefícios das entidades fechadas, ao final do exercício, satisfeitas as exigências =regulamentares relativas aos mencionados planos, será destinado à =onstituição de reserva de contingência, para garantia de benefícios, até o =imite de vinte e cinco por cento do valor das reservas matemáticas. § 1o =onstituída a reserva de contingência, com os valores excedentes será constituída reserva =special para revisão do plano de benefícios. § 2o A não utilização da =eserva especial por três exercícios consecutivos determinará a revisão obrigatória =o plano de benefícios da entidade. § 3o Se a revisão do plano de benefícios =mplicar redução de contribuições, deverá ser levada em =onsideração a proporção existente entre as contribuições dos patrocinadores e dos =articipantes, inclusive dos assistidos. Verifica-se que os valores excedentes devem =er utilizados para a revisão do plano de benefícios, que poderá =mplicar na redução de contribuições levando-se em consideração inclusive a =roporção dos patrocinadores e, muito mais, as dos participantes. Sustenta a parte =é que cumpriu o estabelecido no Estatuto, alterado para tanto, que deve ser =espeitado por todos os participantes por sua natureza de ato-regra. No entanto, o =statuto não pode modificar normas legais e constitucionais. Deve-se consignar =ue é entendimento dos nossos Tribunais que a relação jurídica entre os =utores e a parte ré é contratual e consumerista. Processo AgRg no REsp 785538 / =F AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL 2005/0162881-3 Relator(a) Ministro =ÉLIO QUAGLIA BARBOSA (1127) Órgão Julgador T4 – QUARTA TURMA Data do Julgamento =3/10/2006 Data da Publicação/Fonte DJ 30/10/2006 p. 322 Ementa AGRAVO =EGIMENTAL EM RECURSO ESPECIAL. COMPETÊNCIA. ARTIGO 94, §4º, DO CPC. ARTIFÍCIO =TILIZADO PARA ALTERAÇÃO DO FORO COMPETENTE. 1. Nas ações movidas por =x-funcionários do Banco do Brasil S.A. contra a Caixa de Previdência dos Funcionários do =anco do Brasil – PREVI, a jurisprudência desta Corte Superior firmou-se pela =ompetência do foro do lugar onde está situada a sede da empresa Ré, a cidade do =io de Janeiro, e não de Brasília. Admite-se, contudo, ante a incidência =as normas do Código de Defesa do Consumidor, seja facultado ao autor ajuizar a =emanda em seu próprio domicílio; 2. Na espécie, pretendem os agravantes, com o =rtifício de incluir o Banco do Brasil S.A. no pólo passivo da demanda, alterar tal =entendimento, fazendo incidir a norma contida no §4º do artigo 94 do =ódigo de Processo Civil, porque constituído o litisconsórcio passivo =´havendo dois ou mais réus, com diferentes domicílios, serão demandados no foro de =ualquer deles, à escolha do autor´); 3. Agravo regimental a que se nega =rovimento. Acórdão Vistos, relatados e discutidos estes autos em que são =artes as acima indicadas, acordam os Ministros da QUARTA TURMA do Superior Tribunal de =ustiça, na conformidade dos votos e das notas taquigráficas, por unanimidade, =m negar provimento ao agravo regimental, nos termos do voto do Sr. Ministro =elator. Os Srs. Ministros Massami Uyeda, Cesar Asfor Rocha, Aldir Passarinho Junior = Jorge Scartezzini votaram com o Sr. Ministro Relator. Presidiu o julgamento o =r. Ministro Jorge Scartezzini. Alega também a parte ré que a =retensão autoral fere o princípio do equilíbrio atuarial. Apesar de um argumento válido, =ste não pode ser óbice a corrigir alguma injustiça feita na hora da =istribuição da reserva especial formada sob pena, perpetuar infringir os princípios da =ontributividade e da constituição de reserva. Ao analisar a questão deve-se ter em =ente que cada participante contribuiu para a formação de uma reserva de =oupança individual que seria consumida em forma de aposentadoria futura e não =ara criar reservas a serem consumida por uma minoria de eleitos. Após =stabelecer estas premissas deve ser feita uma analise específica do caso em questão =ara saber se a divisão foi realmente discriminatória. Concordam as partes que em =006 o plano registrou o terceiro superávit consecutivo dando origem a Reserva =special do Plano de Beneficio 1, do qual fazem parte os autores. A legislação =rasileira determina que os superávits sejam utilizados para a criação de =eserva de contingência visando a garantia de benefícios, até o limite de =inte e cinco por cento do valor das reservas matemáticas e havendo excedente seja =onstituída a reserva especial para a revisão do plano de benefícios. E caso não =enha sido utilizada a reserva especial por três exercícios consecutivos a =evisão será obrigatória. A lei é clara ao prever que a revisão é no plano de =enefícios implicando e, se implicar em redução de contribuições deve ser =roporcional aos participantes, patrocinadores e inclusive aos assistidos. No caso em =uestão, considerou a parte ré que os benefícios foram concedidos com base em =egras anteriores e diversas das atuais e que a aplicação de regra única =ão seria possível. Confirmou então a parte ré que regulamentou a =istribuição de forma diversificada. Assim, ao estabelecer regras diversas para os =articipantes do plano de Benefício 1, trouxe para si a responsabilidade de demonstrar =ue a aplicação destas regras diferenciadas foi feita de modo a trazer a =gualdade substancial dos participantes. Esta é a única maneira de que tal =istribuição não seja considerada discriminatória, uma vez que a lei determina =ue a revisão feita de forma proporcional e que a revisão seja feita no plano e =ão nos benefícios de forma individualizada. O ponto nodal da controvérsia =E9 o critério utilizado para conceder o Benefício Especial de Renda Certa. A parte =é informa que o tempo que é considerado para a concessão de benefícios é o =empo máximo de 30 anos de filiação no Plano. E valores efetuados após o 360º =ês não influiria no cálculo de benefício. Então o Benefício Especial =orresponderia exatamente ao pagamento de valor equivalente a tais contribuições excedentes =ertidas para o Plano sem qualquer aproveitamento no cálculo de benefício. A parte =é, no entanto, limita no tempo os beneficiários como sendo os participantes =ue tenham completado 30 anos de filiação no período compreendido entre =4.03.1980 e 31.12.2006 e ainda que tenha vertido tal contribui;ao na condição de =tivo. Afirma que aqueles que se aposentaram com menos de 30 anos de =ontribuição não teriam tal direito. Os autores, são participantes do plano de =enefício 1, que se aposentaram antes de completar 30 anos de contribuição, mas no =ntanto, continuaram a verter valores a parte ré e contribuíram por mais de =60 meses. Se é necessário para que se obtenha a aposentadoria apenas a =ontribuição por trinta anos, não há porque devolver os valores excedentes dos =ssociados que completaram os trinta anos na ativa e não devolver os excedentes =obrados de aposentados e pensionistas. Assim, não teve êxito a parte ré em =emonstrar qual a diferença real dos valores terem sido entregues na ativa ou após a =aposentadoria, uma vez que nos dois casos tais valores não foram =onsiderados para o cálculo do benefício. No caso dos aposentados é até mais =isível, uma vez que os valores foram vertidos ao plano após a sua aposentadoria. ISTO =OSTO, JULGO PROCEDENTE o pedido dos autores para condenar a ré ao pagamento =as quantias apuradas referentes ao Plano de Benefício de Renda Certa, =sto é, que excederem o limite mínimo de 360 contribuições, a contar da data =e aposentadoria até a data da suspensão geral (DEZEMBRO/2006), =evidamente corrigidas e com juros de 1% ao mês, a contar da citação. Condeno = ré nas custas e honorários de advogado que fixo em 10% sobre o valor =tualizado da condenação. P.R.I.

    Para consultar outros detalhes do processo clique aqui e coloque o número do processo (2008.001.305236-0).

    Um abraço a todos,

    José Carlos

  71. antonio francisco lopes fonseca disse:

    é muito louvável a inciativa de todos, porém, como fiquei parado no tempo, pois, somente tomei conhecimento desse movimento há pouco tempo, gostaria de saber como entrar com o pedido de revisão/correção

    • José Olímpio Maia Sobrinho disse:

      Amigo Antonio Francisco, já que passou muito tempo parado no movimento, agore acelere, falando com seus amigos, ex colegas e muito mais para os políticos de sua região. Abraços.

  72. Renato Quintão disse:

    Fui funcionário concursado do Banco do Brasil no período de julho/87 até janeiro/91. Pedi demissão sem o incentivo do PDV. Não saquei o meu saldo depositado na PREVI. Ainda posso reaver estes valores?

  73. Roberto disse:

    Gostaria de saber de alguem que conseguiu reaver o desconto de IR sobre o saque das cotas de reserva matematica da PREVI. É um absurdo este desconto. Mas como obter exito ?
    Roberto

    • Elias Martins disse:

      Roberto, fui demitido em 01.06.2010 sem justa causa, e alertei a PREVI, da legislação da receita, por sinal, bem definida na declaração de 2011.
      De 1989 à 1995, as contribuições são isentas de tributação do IR, mas a PREVI não tá nem aí, não é o bolso deles que está na reta.
      É necessário ter em mãos os demonstrativos de contribuição de todo o seu preíodo e fazer uma conta extremamente complexa, para retificar sua declarãção do IR.
      Como o onus da´prova é seu, há uma boa possibilidade de resgatar o imposto indevidamente retido. No meu caso, foram retidos R$ 47 mil, e consegui através da declaração 2011, colocar a questão na malha para discutir a devolução.

  74. Josemir Nery dos Santos disse:

    TOMEI POSSE NO BB EM 10/12/1982 E ADERI AO PDV, SENDO DE MITIDO EM 15/04/1991. RECEBI, NÃO ME LEMBRO AO CERTO O PERCENTUAL OU VALOR, AINDA EM 1991, PARTE DE MINHAS CONTRIBUIÇÕES À PREVI. NÃO AJUIZEI NENHUMA AÇÃO CONTRA O BANCO. EM 1998, FUI INFORMADO POR COLEGAS DA POSSIBILIDADE DE RECEBER AS COTAS VERTIDAS ( PATRONAIS E PESSOAIS ), SENDO QUE EM AGOSTO DAQUELE ANO ENVIEI DOCUMENTAÇÃO ( PROCURAÇÃO E EXTRATOS ) AO ADVOGADO DR JOSE CARLOS DE ALMEIDA – OAB/DF Nº 12.409,SENDO INFORMADO PELO MESMO, EM OUTUBRO DE 1999 QUE HOUVERA SIDO PROTOCOLADA AÇÃO SOB O Nº 1999.01.1.061861-3 DISTRIBUIDA À 9ª VARA CÍVIL. ÚLTIMO PRONUNCIAMENTO, POR PARTE DO ADVOGADO, FOI EM JANEIRO/2002, MAS NADA COMENTOU/INFORMOU SOBRE A REFERIDA AÇÃO.
    DEPOIS QUE FUI DEMITIDO ( PDV-1991 ), FIQUEI VÁRIOS ANOS DESEMPREGADO ( TRABALHEI, TEMPORARIAMENTE, NO IBGE EM 1996 E 2000 E O RESTANTE DO TEMPO FIQUEI DESEMPREGADO DESENVOLVENDO ATIVIDADES AGRÍCOLAS ). EM 2003, TENDO REALIZADO CONCURSO PÚBLICO, EMPOSSADO NA EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS – EBCT, ONDE PERMANECI ATÉ DIA 01/07/2010, OCASIÃO EM QUE PEDI DEMISSÃO HAJA VISTA TER SIDO CONVOCADO PELO BANCO DO BRASIL ( FUI APROVADO NO CONCURSO BB-2010/001 ). ENTRETANTO APESAR DE TER APRESENTADO TODOS OS DOCUMENTOS SOLICITADOS,AINDA NÃO FUI QUALIFICADO. A PENDÊNCIA NA QUALIFICAÇÃO E CONSEQÊNTE CONTRATAÇÃO, SEGUNDO A GERÊNCIA DA AGÊNCIA PARA A QUAL FUI CONVOCADO, DEVE-SE AO FATO DE EU SER EX-FUNCIONÁRIO E QUE, POR ESSE MOTIVO, DEPENDE DE AUTORIZAÇÃO DA DIREÇÃO DO BANCO. PEDI DEMISSÃO DOS CORREIOS E AINDA NÃO FUI CONTRATADO PELO BANCO, SERÁ QUE AQUELA AÇÃO CONTRA A PREVI, ACIMA CITADA, SERIA ALGUM EMPECILHO? ALGUÉM PODERIA ME DAR ALGUMA INFORMAÇÃO?

    GRATO,

    JOSEMIR NERY DOS SANTOS
    EX-FUNCI, MAT. 5.949.407-7

  75. MARIA CELIA COLLAZZI LOUREIRO disse:

    Colegas. Sai no PDV em 1997 e estou com um problema enorme. Financiei um imovel da PREVI, mas para meu ex-marido!@!. Na epoca ele não tinha direito à CARIM. Não tinha onde morar e pensei nos nossos filhos. Só que ele não pagou as prestações e agora estou com uma ação judicial no meu nome!! Nunca fui neste imovel!! Apenas cedi meu nome. Porque não existe justiça para isso???
    Tenho muitas testemunhas que o imovel(moralmente)não é meu! E ele está na ativa no BB. Porque não passar esta dívida para ele, afinal é o correto. Sei que é meu nome que está lá, mas meu ex-marido sabe que a divida é dele.
    Me ajudem!!!Célia

  76. Renato Quintão,

    Veja o Art. 202 da CF e Lei Complementar 109/2001, em especial a alínea III do Art. 14.

  77. Tinha certeza de que algo estava errado. Pois quando preenchi a adesão do PDV, a redção de PREVI era confusa quanto a adesão ao resgate das cota, que por certo foi equivocada, com prejuizo aos aderentes. Qualquer movimento para resgatar o prejuizo devido aos funcionários estou dentro.

  78. Estou pronto para aderir ao movimento de resgate dos nossos direitos.

  79. José Carlos disse:

    Amigos,

    Ao constatar que a Previ está infestada de gente que jamais irá defender direitos de quem deixou os quadros do BB fui ver de onde vinham. A maioria é oriunda dos quadros diretivos da ANABB. Então, recentemente pedi minha desfiliação desta Associação. Sinto-me um otário de ter pertencido por tanto tempo e dado apoio a esse pessoal que nunca fez nada pelos pedevistas, pelos demissionários, pelos pensionistas, etc., mas encontraram maneiras de obter benefícios a si próprios, ao BB, ao pessoal da ativa e a alguns segmentos de aposentados, enquanto propalava em seus meios de comunicação “as lutas” pela equidade de tratamento dentro do Conglomerado, pura conversa mole. Numa troca de correspondência com uma tal de Cecília Garcez, que ocupou vários tipos de cabides, tanto na Previ quanto na Anabb, esta me respondeu, textualmente, que era contra qualquer tipo de indenização para quem saiu dos quadros do Banco e, imagino, seus pares não devem pensar diferente, pois fomos excluídos de todo e qualquer benefício ou rateio de superávit ocorrido. Mesmo tarde, consegui abrir os olhos para esta realidade e, fico na torçida que os demais ex-colegas façam o mesmo. Um dos grandes trunfos numa disputa é conheçer quem são nossos inimigos. A ANABB é um deles!

  80. Orlando Macedo Junior disse:

    Aderi ao PDV em 1995. Poucos meses antes tinha feito um emprestimo imobiliário da CARIM. Consegui pagar as prestações por uns meses depois da demissão. Saindo de um emprego e indo pra outro, com intervalos desempregado, acabei deixando de pagar as prestações do emprestimo imobiliário. Já em 2001 o Banco inicia o processo justiça e vem se arrastando até agora, agosto de 2010. Ontem recebi pelo meu advogado a noticia que a PREVI e seus inumeros advogados conseguiu que o juiz fosse favorável a ela. É uma luta de David e Golias. Segundo o advogado, meus dias na minha residencia estão contados e me pergunto: porque a justiça brasileira privilegia sempre os grandes e poderosos em detrimento dos fracos e pequenos? Minha esperança está em Deus! Que Ele me ajude nesta hora de dor!

  81. Maria Lucia Mesquita disse:

    Prezados Colegas,
    Sai do Banco no PAQ de Janeiro de 1997, com 13 anos de Banco. Gostaria de voltar e completar o tempo que falta para poder ter direito principalmente a Cassi, se possivel, Previ.
    Alguem poderia me informar como esta a possibilidade de
    poder retornar a trabalhar no Banco?
    obrigada
    Maria Lucia
    6.858.061-4

  82. Marco Antonio Ferreira Ramos disse:

    Cara Colega Maria Lucia Mesquita, também saí do Banco do Brasil em 2.000, não aderi ao PDV, fui demitido sem justa causa. Quanto ao retorno ao Banco do Brasil, não é impossível. O Banco no entanto e a Previ, não medem nenhum esforço quanto ao retorno dos ex-funcionários. Há um projeto de lei, sim. Mas já houve uma audiência pública, com membros do Governo e dos Ministérios, e com Diretores do Banco do Brasil e Corpo funcional em Brasília, e a posição do Banco do Brasil SA, através do Diretor de Recursos Humanos, foi que nós, ex-funcionários, podemos sim retornar ao Banco através de concurso público. Ou seja esta é a posição do Banco do Brasil. Mas nós continuamos com nossa luta. Um grande Abraço.

    Marco Antonio Ramos 6.796811-2

  83. José Carlos disse:

    Prezado Presidente da AFABB-SC

    Negociações, no âmbito interno do Funcionalismo do BB, envolvendo destinação de sobras de recursos (superávits) da Previ até parecem um pescoço (preso em baixo) negociando com uma guilhotina (presa em cima) prestes a cair. Há sempre em jogo de interesses corporativos que sempre favoreçe o lado mais forte, neste caso o BB e a própria Previ. No âmbito judicial praticamente acontece o mesmo. Basta verificar a quatidade de súmulas absurdas e parciais obtidas por ambos junto ao STJ, dando a entender que nos subterrâneos judiciais, que não temos acesso, acontecem manobras e corrupções, em nosso desfavor, que nunca haveremos de provar ou sequer levantar denúncias, a não ser o levante de nossa voz contra a falta de isenção.

    Já, no âmbito externo à Instituição, a distribuição de benesses políticas e envolvimento em maracuaias flui com desenvoltura e naturalidade. É só ler os repetidos escândalos envolvendo a dupla BB/PREVI amplamente divulgados na mídia e verificar os investimentos em micos do tipo Costa do Sauípe e outros, que geraram bilionários prejuízos para o Fundo de Pensão, sem que alguém fosse apontado como culpado e, muito menos, responsabilizado pelo dado causado ao patrimônio construído com nossos recursos por mais de um século.

    Não pertenço mais aos quadros do BB, nem estou sendo representado por ninguém nas negociações citadas abaixo.

    Considero que a AFABB-SC e a FAABB são entidades que poderiam abraçar a causa dos Pedevistas, Pensionistas e Demissionários do BB, que não estão representados nas mesas de negociação, ou convidarem representantes desses segmentos de ex-participantes e entidades como a ANDEBB e a ABRAPREV para discutirem estratégias de rompimento das barreiras acima citadas. Com certeza o convite seria bem vindo e o diálogo sobre as questões que ora são colocadas teriam um aprofundamento maior que esse repeteco de modus operandi, que só privilegia os segmentos mais fortes e organizados.

    Cordialmente,

    José Carlos Arruda de Sousa
    Escritor e Corretor de Imóveis
    Lages SC
    (49) 3222.3344/9991.1956

    ——————————————————————————–
    De: AFABB-SC
    Para: AFABB-SC
    Enviadas: Terça-feira, 19 de Outubro de 2010 16:46:36
    Assunto: Superávit da Previ – negociação com o BB

    Caros Associados,

    Participamos, dia 17 de outubro, da reunião da FAABB para traçar os parâmetros de negociação a serem aceitos pela Federação na mesa de negociação com o Banco do Brasil para a utilização da Reserva de Contingência da PREVI.

    Para vosso conhecimento, reproduzimos carta da Federação sobre o resultado dessa reunião.

    Atenciosamente,

    Genésio Vegini
    Presidente
    ================

    ” Às Associações de Aposentados e Pensionistas do Banco do Brasil

    Sr. Presidente,

    NOTA OFICIAL DA COMISSÃO DE NEGOCIAÇÃO:

    “Negociações do superávit continuam, ainda sem solução

    Na tarde de ontem, dia 18 de outubro, aconteceu nova reunião com o Banco do Brasil, para negociar a destinação do superávit do Plano 1. Os associados da ativa e aposentados foram representados pelos dirigentes e conselheiros deliberativos eleitos da PREVI, pela Contraf-CUT, Comissão de Empresa, ANABB, AAFBB, Federação das Associações dos Aposentados e Pensionistas do BB, AFABB-SP e AFABB-RS.

    A diretoria de Seguridade da PREVI apresentou cálculos dimensionando o valor do superávit, a Reserva Especial que pode ser utilizada para revisão do plano e os custos de várias das propostas de melhorias de benefícios listadas pelos representantes do funcionalismo. As entidades e os dirigentes eleitos reafirmaram sua posição de que a maior parte da reserva especial deve ser revertida em melhoria de benefícios e que é imprescindível, nesta negociação, resolver outras questões pendentes como o fim do voto de minerva, a volta da diretoria de Participações para os associados e a volta dos direitos do Corpo Social. Apresentaram, ainda, proposta de fazer eventuais revisões no plano de benefícios antes de discutir a destinação do superávit.

    O Banco do Brasil reafirmou entender que a metade do superávit do Plano 1 deve ser destinada a ele, com base na Resolução CGPC 26.

    Os representantes dos associados reafirmaram que é necessário buscar alternativas para a solução desta divergência. Insistem que a maior parte dos recursos disponíveis na Reserva Especial para Revisão de Plano deve ser destinada à melhoria de benefícios para os associados.

    Será agendada para a próxima semana reunião conjunta com a PREVIC – Superintendência da Previdência Complementar – para debater o assunto, e nova reunião será agendada com o banco posteriormente.”

    A FAABB esclarece que, de nossa parte, temos feito todas as tentativas de conduzir as tratativas sem intransigências e sem propostas fora da realidade, de modo que tenhamos uma solução o mais rápido possível, no entanto, devemos ter ciência de que toda negociação envolve detalhes políticos e econômicos. Não é tarefa simples, pois, além de lidarmos com interesses de Governo, todas as questões serão submetidas à PREVIC, ao Departamento de Controle das Empresas Estatais e ao Ministério do Planejamento.

    Reforço que todas as Associações devem procurar manter a mobilização de seus associados no sentido de continuar insistindo com o BB e a Previ para a mais rápida solução.

    Atenciosamente,

    Isa Musa de Noronha “

  84. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Coisas do Brasil num é zé carlos?. Por muito menos na França, agora mesmo os trabalhadores estão fazendo o que os brasileiros deveriam fazer, quando das atrocidades com que os nossos dirigentes praticaram com nossas classes, principalmente a Bancária no governo Fernando hc, com licença da palavra. Veremos o que faremos com seu legítimo representante uma SERRA da vida. Que se vá, e fique ao lado do seu FHC e não rumo ao Planalto.

  85. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Parece-me que nossos ex-colegas, não acredita mais em nada, pois perante todos esses movimentos, em blog, em sites e outros movimentos feitos via internet, ninguém mais se pronuncia perante os PL!s-343,512 e por ai vai, será que emudeceram por não acreditar nem na justiça deste país e nem tampouco em nossos representantes, pelo menos nos que relataram e engavetaram por váris vezes os mesmos?. É triste seu moço, é triste…..Movimentemo-nos de uma vez por todas, ou nunca mais.

  86. jose olimpio maia sobrinho disse:

    A justiça no Brasil e seus vários pesos.
    Conseguimos com muitas dificuldades, através de várias instâncias da justiça, fazer com que esta Tal PREVI (que era nossa, liberar parte da reserva matemática que nos cabia, cabia aos que faziam parte daquele processo que se arrasta por vários e vários anos, só que, todos já receberam o que lhe cabia, mas eu não, não sei o que está acontecendo no seio destas duas entidades ou instituições, PREVI-JUSTIÇA, não recebi nada. Quem quiser ver pode olhar no site TJPB com nome da parte-José Olímpio Maia Sobrinho. É verdadeira …………..

  87. jose olimpio maia sobrinho disse:

    E agora PREVI, será que está sem PREVIsão de recursos ou lastros para o pagamento de nossos direitos, pelo menos agora, já que ganhamos através de processos que se arrasta por longos e longos anos nestes tribunais daqui da terra, de uma mesquinha chamada reserva matemática. ?????????

  88. Jaime Emerich disse:

    pois é pessoal. já no ano passado postei um comentário e dúvida, mas até o momento não obtive nenhum parecer.Saí no pdv de 97 e não ajuizei nenhuma ação contra o banco e previ. hoje passado 12 anos, pelos comentários no blog, vejo que não tenho nenhuma vantagem a tirar no momento. mas insisto. alguém pode me dizer se ainda há tempo de ajuizar qque ação ou não vale a pena, perda de tempo?

    • jose olimpio maia sobrinho disse:

      Amigo jaime hemerick, boa tarde!
      Eu só acho amigo velho que; você perdeu durante estes doze anos, tempo suficiente para seu inimigo tomar conta de sua propriedade maior, que era sua dignidade. Eu, particularmente, saí neste mesmo ano e não me arrependo nenhum só momento em que logo que isto aconteceu, no outro dia tratamos, logo de dá entrada em tudo que podia e mais não fiz, porque não tinha conhecimento para tal. O Banco do Brasil e seus cruéis comandados ou mesmo, qualquer outra porqueira que queiramos chamá-los, não mereceram, nem tanpouco merecem o mínimo de respeito. Se hoje tivesse um programa para tirar o chapéu para tais parasitas, eu pedia uma lata de lixo e,procurava enterrá-los estes produtos nocivos o mais que podesse, onde nem os germes podessem chegar, pois ainda poderiam derrotar os tais germes.

  89. Adrialdo Stonoga disse:

    Realmente não acretito mais em nada.A quatro anos visito este blog e acho que daqui a 10 anos vai estar no mesmo. Nada mudou nada melhorou na vida de quem se doou, ou seja os pedevistas. abraços a todos

  90. francisco edimar carvalho brito disse:

    Cadê os enganadores dirigentes da PREVI, BANCO DO BRASIL e SENADOR, que assinaram um tal de acordo no dia 24.11.2010, para estudar propostas para melhoria do Plano 1, com prazo para 6 meses, vencido em 30.06.2011 e que até o presente momento, nem satisfação deram? Será que repartiram o bolo (SUPERAVIT/PREVI) entre si e calaram?
    Caros leitores, vou aguardar resposta para este desabafo, caso negativo, não adianta nada mesmo é perda de tempo, mas ainda volto, se não for preso, por falar a verdade, para esculhambar com este acordo firmado. Não foram obrigados assinar acordo, mas já que assinaram, são obrigados a cumprir, é o que eu entendo.

  91. Um dos grandes problemas Colega Francisco é que ex e atuais funcionários do BB acreditam em Papai Noel e Coelho da Páscoa.

    Veja, por exemplo, como funciona o Conselho Deliberativo da Previ, no dizer de uma pessoa integrante do Grupo.

    “Não existe isso de eu ter poder de fogo. Sou conselheira em um Conselho que tem 21 membros eleitos e acredito que somente eu e o ex-presidente Alcir Calliari somos independentes. O resto há muito faz parte do grupo ANABB capitaneado pelo seu ex-presidente Valmir. Então, caro colega, é comum eu e Calliari perdermos as votações no Conselho por 19 a 2.”

    Já dizia um colega do BB de Lages:

    “De onde menos se espera é dali que não vem nada mesmo!

    Cada um que conclua por sí próprio…

  92. Marcio disse:

    Alguem pode me ajudar? A situação é a seguinte, sai do bb pelo pdv em 94 algum tempo depois não consegui pagar mais as prestações da casa junto a previ… hj, existe uma açao em que pede o dobro do valor do imovel, e esse imovel é o unico bem que possuo, existe a possibilidade de contestar essa ação pelo fato de eu estar na posse desse bem a mais de 15 anos, de acordo com o art. 1238 do CC??? Me deem uma luz por favor…

    Se algum advogado puder me deixar um email p me comunicar tbm, agradeço…

  93. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Caro colega EDIMAR, o que o companheiro José Carlos diz em seu comentário é mais de que a verdade pura. Neste nosso país tropical, esses caras-de-pau é só pro saco deles aí prá nós inventam um tal de Papai Noel com um saco cheio de mentiras para enganar nós bestas. Mas quem espera o que vem, que nunca virá, um dia chega prá mim, prá você e prá eles também que é o bicho morte. Convém salientar que eles não levarão nada que nos roubaram. Quanto ao amigo Márcio só tenho a dizer que me encontro no mesmo barco.

  94. Jodeir disse:

    - Li comentário de um colega, que um pedevista (seu amigo) ganhou e recebeu uma grana preta. É muito importante que se verdade, essa noticia se espalhe, para que outros pedevistas, possam saber que ação é essa e que atitude tomar em relação ao andamento de seus processos.
    – Tambem e importante divulgar o andamento dos PLs. sobre reintegração. É de importancia que se saiba sobre fatos reais, como : Quem recebeu, em que ação foi pago, para que se possa trocar informações e saber que atitude tomar.
    – Sou pedevista, sai em 1995 . posse em 1977 – Cidade Cáceres – MT.

  95. jose olimpio maia sobrinho disse:

    caro colega jodeir, minha proposta perante todos que penam perante estes atos que foram praticados contra nosso patrimonio maior que é a vida, seria na verdade que todos estivessem antenados nessas e outras idéias que por ventura muitos tenham e não as divulgue, ou por falta de meios como este que estou fazendo agora ou por outros de seu alcance. Será que alguns ainda sentem peninha do BB ou de coleguinhas que lá ficaram por trás de uma masmorra?. Eu mesmo desde que sai do BB que logo meu primeiro ato foi de colocá-lo na IN – justiça deste nosso país. E ganhamos umas horas extras durante cinco anos, isto é 5:45 (por dia) deu uma boa grana, mas dinheiro na mão é vendaval, já diz uma música sei lá de quem. Agora mesmo, desde que sai também coloquei a PREVI na in-justicinha brasileira e vem se arrastando qui nem cobra pelo chão, desde 1997. Agora acho que está chegando ao final, mas mesmo assim, ainda está nas mãos dos advogados do Diabo ( PREVI). Sou de Catolé do Rocha (PB) e, se fosse por mim ainda pegava um bacamarte e mostrava aos poderosos que o mundo não é deles. Estou indignado com tais atos.

  96. Como dizem os gaúchos, Jodeir, “não é fácil nadar de pala e bota”. Acrescento, lutar na (in)Justiça contra a PREVI é o mesmo que tentar nadar à cavalo em rio turbulento e caudaloso, com toda a indumentária gaúcha.

    A “Rainha da Protelação” tem à sua disposição uma legião de advogados de Norte a Sul do Brasil para emperrar suas ações, enchendo todos os Tribunais de agravos, apelos, recursos, embromações, ou seja, tudo foi criado, inventado, sentenciado e que houver a disposição no Mundo Jurídico para o réu ganhar tempo.

    Nossas pendengas contra a Previ começaram a avolumar-se na Justiça tendo como março o PDVBB de 1995. Desde então, nesses 16 anos de peleias, foram muitas as vitórias de Primeira e Segunda Instâncias. Quando os processos chegam em Brasília, no STJ, no TST, no Supremo, as sentenças mudam de rumo, bandido vira mocinho e vice-versa. Ali as coisas não são julgadas juridicamente mas politicamente, pois entra em cena a indicação governamental, o poder econômico e até o crime organizadado (Veja o caso do DL 81240/78).

    Meu único processo contra a Previ está enrroscado no TJSC por conta do RE 586453 do STF, engavetado pelo Ministro Joaquim Barboza “para vistas” (entenderam?) desde 17.02.2011. Esse RE, cuja relatora é a Ministra Ellen Grazie, definirá se nossas ações devem tramitar na Justiça Comum ou na Justiça do Trabalho. A relatora já definiu que os processos da espécie devem permanecer onde foram protocolados, mas quem está ganhando tempo são as Entidades de Previdência Complementar, pois muitas delas alegam a safada manobra jurídica conhecida como Repercussão Geral e algumas delas, peso pesados, “se penduraram” nesse Recurso para ganhar tempo. E nós perdemos tempo, assim como perdemos com as Súmulas 289, 290 e 291 do STJ.

    Minha esposa a meus amigos me dizem que eu deveria ser advogado e que seria dos bons. Não daria certo, porque já estaria preso por longos anos por “desacato às autoridades” ou “subversão a ordem legislativa nacional”. Digo e repito, não existe poder no Brasil mais podre que o Judiciário, embora quem indique seja o Legislativo e quem nomeie seja o Executivo. Ou seja, escapamos do boi a vaca pega.

    Espero, Jodeir, ter ajudado. Assim também como lhe peço que nos ajude a identificar o colega que ganhou ação contra a Previ e recebeu sua grana direitinho. Não conheço nenhum.

    Abraços,

    José Carlos

    Resumindo,

  97. Maria Janice Junges disse:

    Bom dia!
    Prezados: Aderi ao PDV em 1995(primeira turma). Atualmente estou empregada, mas gostaria de saber se há alguma perspectiva de indenização sobre os valores da PREVI que estavam sendo pleiteados e houve debate quanto à rasura na lei(não lembro o ano). Lembro de ter lido em algum site, mas acabei não procurando maiores informações. O que devo fazer além de minha inscrição? E como encaminho a documentação?

  98. Dejaime Pereira dos Santos disse:

    Caros Colegas,
    Referente a ação/requerimento contra a Previ, de 1998, até mese atrás era possível acompanhar o processo p/ site TJMS, agora desapareceu do mapa. Vcs sabem de alguma coisa?
    Período – 1980 a 1997 – pedevista – Campo Grande MS.

    • jose olimpio maia sobrinho disse:

      Tenho uma ação contra esta tal PREVI e já se arrasta desde o ano de 1997, creio que o que ainda continua aparecendo no site do tjpb é somente referente a nossa parte de uma diferença no que nos cabia de correções, esta sim, aqui uns já recebeream e eu ainda se arrasta, nem sei quais as razões de um tribunal ficar esperando por uma coisa que não tem mais para onde eles correr. É, mas neste pais de uns e outros não, tudo pode, só para os grandes, pois a relativa aos 2/3, o bicho comeu.

  99. joão ari disse:

    GANHAMOS A AÇÃO CONTRA A PREVI EM TODAS AS INSTANCIAS, MAS AGORA NO FINAL PERDEMOS TUDO, POIS O ADVOGADO TINHA ENTRADO COM A PRIMEIRA AÇÃO NO TEMPO HÁBIL E RETIROU EM SEGUIDA, SO ENTRANDO COM A SEGUINTE APÓS 5 ANOS, AÍ ENTRO A PRESCRIÇÃO QUINQUENAL E ADEUS AS DIFERENÇAS PELAS PERDAS.
    JOÃO ARI PDV 1995 – SÃO LOURENÇO DO SUL -RS

  100. Jodeir disse:

    É isso aí!!!! Alem do Banco, PREVI, e outros mais, ainda temos que NÃO acreditar em alguns profissionais da lei.. Como somos incompetentes para cuidar de nossos proprios interesses, a tendencia é que mais uma vez estejamos correndo riscos de sermos surrupiados. Amigo Dejaime voce me conhece e sabe que mais do que nunca estamos no mesmo barco. – Ainda creio que chegará o dia que de alguma forma receberemos, pelo menos parte do que e devidamente nosso. Abraços.

  101. JOAO ALBERTO disse:

    Só agora estou tomando conhecimento deste heroico movimento.
    Me solidarizo com a luta de todos os colegas. Saí do BB no PAQ de 2007, com 27 anos de casa. Gostaria de trocar informações sobre
    a possibilidade de ação judicial contra a Previ. Grande abraço a
    todos. Meu e-mail: joaoalbertosalazar@yahoo.com.br ,

  102. josé olimpio maia sobrinho disse:

    Dois pesos e duas medidas:
    Meus amigos, mais uma vez, fui traido pela IN-JUSTIÇA do Brasil, é que, logo que saimos do banco, entramos na justiça contra essa tal PREVI, quanto aos 2/3 e mais sobre os nossos planos com suas correções fraudulentas, agora me deparei com uma decisão da in-justiça de considerar a ação indeferida por decurso de prazo.
    Isto é que é uma vergonha, pois meus outros colegas daqui, os que tenho conhecimento, todos receberam, uns há dois anos e outros agora há uns dois ou tres meses atrás. É ou não é um peso e duas medidas. Que JUSTICINHA vergonhosa!!!!!Estou quase que
    em situação de desespero com uma dessa.

    • Lucy Sumie Kobo Kanashiki disse:

      Amigo Jose Olimpio, sai no PDV em 1995, estou com açao contra PREVI desde então por conta dos 2/3 nao devolvidos, gostaria de saber se alguém ja recebeu parte ou todo. Pelo que entendi alguns receberam aí? como assim?
      Por favor passe informaçoes: kanashiki@hotmail.com

      • Joaquim Francisco Xavier disse:

        Colega Lucy,

        Que eu saiba, nenhum pedevista do BB tem recebido valores por conta dos 2/3. Acontece que a justiça não permitiu e não permite. Só temos o direito de pedir o pagamento do expurgos sobre o valor de 1/3, já recebidos por nós, em nossa demissão, se ainda não prescritos. Veja a seguir documento do STJ (Superior Tribunal de Justiça), que impede que recebamos os nossos 2/3 das contribuições, retidos pela Previ:

        STJ Súmula nº 290 – 28/04/2004 – DJ 13.05.2004
        Planos de Previdência Privada – Devolução da Contribuição Efetuada pelo Patrocinador
        Nos planos de previdência privada, não cabe ao beneficiário a devolução da contribuição efetuada pelo patrocinador.
        Referências:

        STJ Súmula: 427
        A ação de cobrança de diferenças de valores de complementação de
        aposentadoria prescreve em cinco anos contados da data do pagamento.

        Ex-colega Joaquim Xavier – Goiânia

  103. Maria José Silva dos Santos disse:

    Sou casada com ex funcionário do Banco do Brasil, vítima da demissão voluntária. Meu marido saiu na seg demissão, foi a
    maior desgraça que nos pode ter acontecido ficamos sem nada
    sem teto e sem comida, aí começou uma série de problemas
    inclusive problemas de doenças que ocasiou na sua morte vítima de AVC.Meu marido fez carreira no Banco chegando a gerência.O que fazer agora ele tinha tanta esperança de receber o que ficou retido na cassi,ou PREVi.Sua matriula é 1.600.030-7.

  104. Elizabeth da Silva Queiroz disse:

    Eu trabalhei no BB durante 18anos e 8 meses, saí em 1995, PDV. Entrei com Dr José Carlos de Almeida de Brasilia-DF(ex funci-advogado) com ações contra a PREVI. Faz exatamente 16 anos. Recebi até o momento R$.45.000,00 em duas vezes sendo uma parte em 2006 , outra parte em 2011 e resta muita coisa para trás, e a coisa é muito enrolada mesmo. Acredito que vou morrer, pois já fiz 60 anos e não vou ver o restante, pois na nossa justiça tem muitos “recursos”.. Elizabeth da Silva Queiroz

    • Paulo Sergio Ferreira Alves disse:

      Elizabeth, seu caso não é único, tenho processo com este mesmo advogado. nunca informam o andamento real do processo, também recebi parte em 2008 sem nenhuma prestação de contas e agora pelo que sei já há outro depósito judicial que também não dão informações de quando vão liberar, e o pior é que não dá para entender porque não liberam se é que vão receber honorários. Algo de muito estranho existe por trás disso. O que fazer ? Como e a quem denunciar?

  105. olimpiomaia1@hotmail.com disse:

    Elizabeth, acho que tudo que vc falou é uma verdade pura, mas o que posso falar sobre a justiça deste país é que é totalmente falha, atrapalhada em suas decisões que não são uniformes e muito mais, mas estou falando assim porque vc falou que recebeu alguma coisa da PREVI, aqui também meus colegas que conheço também receberam, e eu estava esperando, mas recebi uma notícia de meus advogados que a minha tinha sido arquivada por decurso de prazo, quando na verdade fomos todos unânimes até em entrar contra a mesma no mesmo tempo. O pior é que já entrei em contacto com esses advogados e o que eles me responderam é que não estão localizando prá onde foi meu processo. É duroooooo….Posso está enganado, mas tive uma colega de faculdade com este mesmo nome em joão pessoa.

  106. vauberio oliveira cezar disse:

    E eu que há exatamente 19 anos e não recebi um centavo! E olha que já estou com 64 anos e como o idoso tem prioridade…..

  107. edma freire disse:

    olá, sou ex.funcionária do bb e sai no pdv de 1995, ingressei na justiça com o dr. josé carlos de almeida, verifiquei que em out. de 2008 foi liberado mais de 900 mil para os autores, contudo, até hoje não recebi nenhum valor, se alguém estiver na mesma situação entre em contato para ver o que é possivel ser feito.

    • Paulo Sergio Ferreira Alves disse:

      Edma tenho ação (grupo de dez), deste mesmo advogado que não da nenhuma explicação sobre o andamento do processo e mais ainda não tem o menor interesse em liberar as parcelas já depositadas sendo que o mesmo teria honorários a receber. Parece existir algo muito estranho por trás disso. Já estive em Brasília no escritório, onde fui recebido por estagiários, ele próprio nunca está , dizem que sempre esta em viagens.Por telefone é a mesma coisa, sempre informações desencontradas.Apelar a quem, denunciar aonde?

      • Carlos Cestari disse:

        Boa Tarde Paulo Sergio, Também tenho processo com o Dr José Carlos, confio bastante neles, são perfeitos? Não, podem cometer erros, portanto acompanho de perto o meu processo junto ao site http://www.tjdft.jus.br (digite o CPF ou nome da parte).
        Hoje está com o perito para recalcular o valor final.
        Acompanhe o seu processo, afinal o maior interessado é você e mais ninguém. Cuide disso com afinco, pois é a nossa vida que esta em jogo.
        Abs.

      • Geraldo B Ribeiro disse:

        Colegas, vjam o que dizem de JCA:
        Acho que a PREVI disse a você que, além de formalizar para o advogado, poderá formalizar diretamente para o endereço indicado.
        Houve de troca de escritório, parece-me, na representação da PREVI.
        Pedi a você informar-me a data do ajuizamento e como recebeu a notificação, se por carta lacrada com AR, caso houve. Importante isso para uma informação fundamental.
        Você não possui ação com o JCA?
        Outra coisa, a ANABB é sócia em tudo da PREVI e negociou junto com ela para o Judiciário de Brasília desconsiderar os juros contratuais após o desligamento e manter alguns índices que poderiam ser modificados e o JCA que é escritório ligado ao Valmir Camilo e deriva dele não recorre ao STJ e abraça tudo que é decidido pela PREVI que manda nas ações tramitando.
        Nunca me liguei a nenuma associação eluto sozinho porque quem deveria lutar junto com aqueles que possuímos ação eram elas e omitem-se, propositalmente, porque contatei alguns e tiraram da reta.
        Muitos receberam diferenciado e outros nem ação possui. Por exemplo, o Ary recebeu em 2004 alegando que a PREVI perdeu prazo. Além de outros.
        A prioridade é a ação que dá sustentação para todo mundo e as contribuições patronais a súmula 290 tira qualquer chance de recurso ao Judiciário.
        Estão levando milhões em nosso nome, até atuários e contabadores.
        Mais de 55 mil funcis. BB recorreram através da ANABB e todos só receberam a parcela incontroversa – entre 60 e 70 por cento do valor total – e adiferença toda foi e está sendo embolsada pelo Valmir, adiretoria da Anabb e o Ivo D’avila.
        Isso é a ponta do iceberg!
        A última mensagem que remeti ao José Carlos disse a ele que foi o primeiro semovente bípede, com língua e palato redondos adquirido pelo Valmir Camilo, ainda em Araçatuba porque os dois são de lá, e e que não o vi narelação de bens que o Valmir apresentou para o TSE na eleição de 2006 como sua propriedade.
        Abraços.

  108. Edma,

    O ideal é ver o que foi feito com a grana de R$ 900 mil. Consulte seu advogado e abra o olho pois tem muito profissional de olho gordo.

  109. jose olimpio maia sobrinho - canavieira disse:

    São tantas respostas que temos, que nem sabemos qual delas vale a pena termos em mente. A justiça de nosso Brasil tem várias decisões variadas que aquela balança e aquela venda nem deveria mais existir naquela esfinge. Aqui na Paraíba foi dado ganho de causa para alguns dos residuos da PREVI e quando chegou no nosso estava vencido por decurso de prazo, convém salientar que todos entraram na mesma data. Veja bem na mesma DATA.

  110. ALICIO BORDE disse:

    Desculpem-me discordar de alguns comentários, mas eu acompanho meu processo todos os dias e vejo que pelo menos o processo em que figuro com mais 9 colegas está andando normalmente, a morosidade está nos trâmites processuais e não na atuação do advogado. Quém não tem informações suficientes é só acessar o site do TJDFT e pesquisar pelo seu nome que verá todos os andamentos.

    • Paulo Sergio Ferreira Alves disse:

      Alicio Borde, eu acompanho meu processo inclusive peço ajuda de pessoas da área de advogacia que não entendem como conseguem protelar tanto estas ações que já estão pacificadas. Se você confia ótimo, é sinal que está satisfeito ou com tempo de esperar que eles continuem nos enrolando.Já fomos ludibriados de todas as maneiras, não vejo como confiar em pessoas que fazem parte de grupos que dizem lutar pelos nossos direitos mas que sabemos estão a serviço dos poderosos. Paulo Sergio

  111. A Previdência Complementar no Brasil é um grande cambalacho contra o participante. As maracutaias começaram em 1978 quando foi fraudado o Decreto 81.240. Depois vieram as sinistras Súmulas 289, 290 e 291, todas elas votadas em bloco e prejudiciais aos participantes. Concederam a correção monetária dos expurgos mas ninguém consegue receber nem na própria Justiça. Roubaram a contribuição patronal dos ex-funcionários e inventaram um prazo de prescrição muito reduzido.

    Depois vieram as famigeradas Leis Complementares 108 e 109 que retiraram todo e qualquer poder de ingerência e gestão dos participantes com a instituição do voto de qualidade do patrocinador nos Conselhos Deliberativos.

    Se essas aberrações legais não foram objeto de negociações sorrateiras nos subterrâneos ou nas praças brasilienses então eu sou um tolo. Desde 2003 venho lutando contra o vento para recuperar meus prejuízos após a saída dos quadros do BB. A luta persiste, mas a possibilidade de ver a cor de algum centavo é muito remota. Eu não tenho condições de comprar sentenças, acórdãos nem súmulas. A Previ tem. E compra descaradamente!

  112. edma disse:

    Eles me enviaram um email dizendo que o processo está com o perito para refazer os cálculos, contudo, o juiz em 2008 liberou por alvará 902 mil, ocorre que se o perito está refazendo os cálculos é para um outro valor ainda devido. O fato é que parece está havendo algo errado, a providência a ser adotada se não houver a devida comunicação aos interessados, bem como o pagamento dos valores já liberados precisamos comunicar a OAB do DF, fazer uma representação contra o advogado responsavel, e posteriormente interpor ação por apropriação indébita, indenização, e tudo o mais que for cabível.

  113. Quer dizer então, Edma, que nos raríssimos casos que um ex-funcionário consegue Alvará de Saque, quem saca é o advogado e o dinheiro se evapora??? É muito ladrão por metro quadrado neste país!!!

  114. jose olimpio maia sobrinho - canavieira disse:

    E os anões? e os Demós…….da vida? e nós onde chegamos? e o lulinha que dizia que a classe dos bancários era tudo prá ele, onde está?

  115. FRAUDE NO DECRETO LEI 81.240/78

    Bom dia,

    Repasso uma dúvida que me surgiu neste feriadão:

    Se a fraude ocorreu em 1978 quem não estava vinculado a alguma entidade de previdência complementar tem algum direito à reclamar na Justiça???

    Em meu caso, por exemplo, assumi no BB em 01.02.1980, ou seja, antes da mudança no Plano 1 da Previ, ocorrida em março de 1980.

    Antes de ingressar no BB eu era funcionário da carreira administrativa do Banespa, desde novembro/77, portanto, antes da ocorrência da fraude e quando rescindi meu contrato de trabalho não fiz nenhum resgate de um eventual plano daquele banco estatal paulista.

    Agora estou fazendo uma pesquisa junto ao Santander, que adquiriu o Banespa em leilão de privatização, para obter algum documento que comprove a existência ou não de um plano desde 1977 a que eu estivesse vinculado.

    Enfim, o que quero comprovar e saber é se posso ingressar com a Ação da Fraude como Ex-Funci BB ou Ex-Funci Banespa?

    Os amigos podem me ajudar a tirar estas dúvidas?

    Abraços,

    José Carlos Arruda de Sousa
    Lages SC

  116. Maria disse:

    Como poderemos saber qual a diferença entre o que recebi e o que realmente teria direito de saber. Como solicitar esta prestação de contas

  117. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Aqui é mais um caso de abuso das coisas que acontece , todos nós que entramos contra essa PREVI para recebermos um amargo direito de correção, tive a desilçusão de ver muitos deles recebendo alguma coisa e, o meu grupo a justiça deu como perdida por decurso de prazo. Como se explica, se entramos todos num mesmo dia? e, se já é um direito, porque essa PREVI-ladra não deposita em nossas contas sem que precise de justiça?, quando era para descontar de nossos contra-cheques, isso nunca precisou de justiça, pois tinhamos documentos autorizando o feito, então da mesma forma seria reconduzido em nossas contas nossos direitos. Borys Casoy, já dizia “isso é uma vergonha”.

  118. JOAQUIM VENTURA disse:

    José Olimpio, sua saída esta em entrar na ação da fraude do famigerado decreto-lei 81240/78, sem ela você não vai conseguir.
    A PREVI esta se manifestando nas ações da CARIM/prescrição e aposentadoria proporcional, é incrível o tamanho da CARA DE PAU dos caras, não têm vergonha na cara, se a PREVI fosse uma pessoa venderia terreno na Lua, venderia a Torre Eifel e daria um monte de cheques roubados no comércio. Entremos na justiça o mais rápido possível, pois eles jogam com o tempo.
    NÃO TEMOS OUTRA SAÍDA, nossos únicos aliados são os juízes.

  119. jose olimpio maia sobrinho disse:

    eu já não vejo nada de aliados. e sim aliados de quem se veste de poder e muito numerário para dá ganho de causa aos seus patrões que nessas horas é um governo que tanto no passado defendemos e hoje nos vira as costas.

    • JOAQUIM VENTURA disse:

      Discordo de você, tenho um irmão que é juiz, e (claro, podem haver desvios) garanto que todos seguem a lei: está na lei, cumpra-se. Demora porque esses individuos, cujo coletivo chamamos de congresso, não sabe legislar, vote certo e no futuro veremos a diferença.
      Pelo judiciário teremos a resposta, mas se você não protocolar no fórum…

    • Joaquim Francisco Xavier disse:

      José Olímpio,

      Eu tenho observado que Vc está sempre levando em discussão casos de roubalheiras da Previ contra funcis. demitidos e pedevistas do BB. Tenho observado a sua luta constante contra todas essas barbaridades. Administrativamente, não é possível obtermos sucesso. É necessário que busquemos a justiça, apesar de grande parte dela ser corrupta. Quem sabe que, mais cedo ou mais tarde, consigamos um resultado que nos seja favorável.
      Abraços,

      (joaquimfx@gmail.com)

    • JUIZES? ALIADOS? JOAQUIM VENTURA?, ALIADOS DA PREVI E BANCO DO BRASI, ISTO SIM, TODOS SÃO COMPRADOS PARA DIZER NÃO A NÓS. O NOSSO ÚNICO ALIADO É DEUS. ESTE SIM, UM DIA NOS DARÁ GANHO DE CAUSA. ATÉ DIRIGENTES DE ASSOCIAÇÕES COMEÇAM COM TODO O ENTUSIASMO, CHAMANDO PARA ASSOCIAR, QUE VÃO ENTRAR NA JUSTIÇA E REVER NOSSOS DIREITOS PERDIDOS, LOGO, LOGO SUS BOCAS SÃO FECHADAS E NÃO FALAM MAIS NISSO, SERÁ O QUE ACONTECE? TAMBÉM CORROMPIDOS?

  120. Tardiamente os colegas e ex-colegas, da ativa e inativos, estão se dando conta de que foram e estão sendo tapeados pelo tribunvirato BB/Previ/Anabb e outras entidades que só querem engordar suas contas às nossas custas e encher os bolsos de advogados com infindáveis processos de resultados duvidosos.

    Antes de entrar com alguma ação convém que o interessado faça uso da Internet e veja o que estão decidindo os Tribunais Superiores e Estaduais. Com isso terão uma previsão do tempo que levarão para liquidar essas ações, pois muitos advogados safados, para receber pro labore adiantado, prometem mundos e fundos aos seus incautos clientes e, depois, deixam o tempo correr em fazer absolutamente nada além de protocolarem a inicial em Primeira Instância.

    O Brasil de Norte a Sul está abarrotado de processos engavetados contra o BB e a Previ, pois os Ministros e Desembargadores estão sendo comprados por ambos. Em outras palavras, nós ganhamos em Primeira Instância mas talvez nunca vejamos a cor do dinheiro. O pessoal da ativa não está imune a essas mazelas, mas estão quietos pois estão mamando nos superávits da Previ que foram alimentados com nossas conribuições patronais surrupiadas por ela.

  121. Jose Carlos,
    Sábias suas palavras.
    Dentro de poucos anos nossos ex-colegas, que hoje estão na ativa, sentirão a mesma dor que estamos sentindo, pois alguem terá que manter a ‘roda girando” e a vez é deles, pois a nossa já passou.
    Deus que os proteja e que uma dia nos abençõe.
    Um forte abraço a todos, em especial ao nosso amigo e companheiro “zezé” lá na nossa querida Catolé do Rocha-PB, pela sua dedicação à nossa causa.
    Cesar.

  122. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Tenho acompanhado sempre desculpas como é o caso Joaquim Ventura defendendo um pedacinho que lhe restou de consolo, pois ainda discordo dele, não em relação a seu irmão, pois nem o conheço nem tão pouco suas decisões e suas causas justas ou injustas por ele decididido, também vejo as colocações a respeito desses atos e DES-atos prolatados por cortes (ou cortes=que significa navalhada) em relação aos mais interessados em prejudicar os menos favorecidos em prol de alguns representantes nossos no congresso e que são os verdadeiros patrões nossos e qual seria o interesse desses mal-condutas decidirem projetos de lei e outras para favorecer-nos?e esses sairem prejudicados em suas AÇOES valorizadíssimas de um BB e outros por ai afora?. Reflitam também esses nossos colegas que hoje estão sentados ai em frente de computadores de um BB de uma CEF e outros, pois hoje esses ai estão bem, mas isso também já vi em tempos passados, quando passei por uma NCR, uma BORROUGHS, tudo isso era sucesso do momento, bater em uma máquina de escrever uma Cédula Rural Pignoratícia, uma Cédula Ruural Hipotecária, tudo isso decorado, não tínhamos essas copiadas em uma máquina, hoje eles têm, só substituindo nome, endereço, valores e pór ai vai. Roguemos à DEUS, para que um filho ou filhos DELE, m dia reconheça nosso padecer. Tem mais, mas estou ficando estancado. Obg. ao colega César e outros que compartilham dessa nossa investida. Posso morrer até amanhã, mas não perdoarei os mal feitores, ou mesmo Larápios de nossas vidas. Que um dia o Inferno seja o lugar reservado para esses cafagestes.

  123. Martha disse:

    Caro Joaquim Ventura e demais colegas,
    Fui executada pela PREVI, entrei com embargos de execução – perdi as preliminares – efeito suspensivo, prescrição, pois o Tribunal de Minas considera como marco inicial da prescrição o último pagamento (do financimento), desconsiderando aquela cláusula contratual que diz que após 3 prest. inadimplidas, a divida venceria antecipadamente. Pedi um perito para apurar o valor correto, com base no CDC, mas infelizmente, ainda não obtive a resposta da juiza, que segue com a execução e, sendo assim, ainda sem julgamento dos embargos, já fui intimada do leilão… em abril deste ano. Estou muito triste… e preciso de um advogado para tentar suspender o leilão, já que tenho pedido no embargo ainda sem despacho… me ajudem, por favor… Será que tenho chances de impedir ,ao menos por mais algum tempo, esse leilão?

    Martha – PAQ/96

  124. CARLOS CESTARI disse:

    O país esta em guerra, todos estão exigindo alguma coisa desse governo, que esta enfraquecido, e fara qualquer coisa para se fortalecer (até os caminhoneiros estão pedido o inimaginável).
    E nós? Faremos o quê nesse contexto?
    Sugiro nos juntarmos (ANDEBB, GRUPÃO, UPD, etc…) irmos lá na frente do prédio da PREVI e fazermos um barulho, fecharmos a rua ou entrarmos no prédio (como fez o pessoal do AERUS), mas precisamos ir num número mínimo de 1000 pessoas. A situação da PREVI está cômoda, ela entrega os processos da justiça aos advogados e sua diretoria (que sai a cada 2 anos) não esta nem aí.
    Vamos esperar até quando termos 90 anos para termos nossa aposentadoria?
    Sugiro também pedir o apoio do sindicato dos bancários do Rio, tenho certeza que eles nos dariam.
    Ou então vamos continuar escrevendo neste fórum nosso descontentamento.
    Abs.

    • Tarsilla disse:

      Caros colegas, muito revoltada enviei um twitter para o “nobre” dep. Edinho Bez, o relator que é contrário à investigação da fraude, questionando pela sua posição.
      Resposta do acessor:Twitter oficial do Deputado Edinho Bez, atualizado pela assessoria de imprensa. O contato direto pode ser feito pelo e-mail – dep.edinhobez@camara.gov.br.

      Que tal enchermos sua caixa de emails e twitter com questionamentos bem fundamentados?

      Colegas não acredito na justiça brasileira… e tenho motivos que me fazem pensar assim!! Tal como a política, o judiciário também está corrupto… decisões amoldadas ao interesse dos poderosos!
      Fala-se em insegurança jurídica – decisões diferentes nos tribunais, que somente uma jurisprudência pode pacificar…
      enquanto isso, alteram-se entendimentos, fazem novas leis… contra os oprimidos!
      Por isso, aguardarmos os desfechos judiciais, SEM FAZERMOS NADA… para mim é atestado de bobice… e já fomos idiotas uma vez,acreditando no BB, na PREVI… e sabemos , o quanto nos
      prejudicaram!VAMOS PRA RUA!!!

  125. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Tarlissa, ainda não tinha encontrado pessoas de sua qualificação para dizer umas verdades que esses mal-condutas dos poderes, quaisquer que seja, avaliasse tão bem tudo que está acontecendo e aconteceu num passado bem próximo com nossa sociedade brasileira, em especial com nossa classe bancária, quando vemos verdadeiros ex colegas cabisbaixos, apenas vendo e ouvindo tudo que passou e está se passando com todos nós. Decisões de uma justiça podre, totalmente diferentes umas das outras tão somente para favorecer as falcatruas e desmandos de um governo que se instalou desde a era collor. Estou quase que pedindo a era Figueiredo, pois naqueles momentos nossa classe não foi tão crucificada e amaldiçoada quanto nessa era mundiça. Que morram os justiçeiros da lei, os mandatários DMINISTRATIVOS e todo congresso nacional se funda, vire pó.

  126. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Carlos cestari, se eu morasse ai perto, pelo menos por ai pela região sul, não contaria conversa já estaria nesses movimentos e com especialidade um dessa natureza, sugerida pelo colega é muito bem vinda e bem proposta. Vamos pessoal dai e outras regiões próximas, façamos isso. Mãos à obra. Que classe é essa?. Os irmaos caminhoneiros estão reivindicando o que eles acham justo. E porque não nós?. Enfrentemos o leão. Eles são traiçoeiros, nos pegaram de calças curtas. Então agora lutemos. A PREVI vai nos matando bem devagarinho e não vamos reagir?. Tomam todos os nossos direitos e só ficamos como o Dep. Justo Veríssimo. Ah ééé….

  127. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Será que nós somos inertes?. Ôntem mesmo, vi em umn dos jornais nacionais que uma pequena porção de pessoas pertencentes a um dos planos previdenciários de umas empresas com Varig e Transbrasil que foram também roubados e não chegaram a suas metas que seria a uma aposentadoria em suas velhices estavam lá reivindicando, ocupando as salas de presidente desses planos previdenciários e dizendo que só sairiam se fossem ouvidos do que lhes tinham sido tirado. E nós que fazemos parte de uma massa muito maior, porque não fazemos o mesmo?. Falta coragem em nós reivindicar o que é nosso?. Já estamos chegando aonde poderiamos estar já aposentados, desfrutando do nosso passado de trabalho. E agora José, está sem nada como diz a poesia “José”. Vou ficar no escuro ou mesmo nós?. Respondam os donos das leis.

  128. CARLOS CARMELO CESTARI disse:

    Boa Noite José Olimpio, é só o pessoal que esta na direção do nosso movimento se mexer, marcar e todos aqueles que irão devem confirmar a presença, pois com poucos é melhor não fazermos nada. O pessoal do AERUS (Varig e Transbrasil) ainda estão lá na sede. Esta nas nossas mãos.

  129. jose olimpio maia sobrinho disse:

    Colega Cestari, o colega presidente da ANDEBB, já está se conectando com outras associações e sindicatos para fazer um ato de natureza bem expressiva. Vamos lá, o movimento irá engrossar, porque nós temos muitas razões, para não dizer todas. Repasse essas informações para outros ex colegas. Movimentemo-nos.

    • tarsilla disse:

      E aquelas ideias das manifestões contra a PREVI.. ???Enquanto isso…. os enganadores de plantao se movimentam: abaixo a ditadura,quando não se dir falar nada ou abaixo a democracia,onde só falar nao resolve… “vem pra rua!!!”

  130. JOSÉ OLIMPIO E CARLOS CARMELO, moro em Goiás, e estou disposto a me deslocar para onde for para participar de uma manifestação, se possível em frente o predio da PREVI. Vamos mexer.

  131. josé olimpio maia sobrinho disse:

    Eu hoje, só quero que esse “Magote de Ladrões” da PREVI x governo me paguem pelo menos minha reserva matemática, que todos receberam e meu grupo não. Que justiça brasileira é essa que não é igual para todos?.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 45 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: